Sem aceitar proposta da oposição, prefeito tem projeto do IPTU rejeitado pela 2ª vez

Se base do petista tivesse aceitado retirar da matéria parte referente ao aumento de 29,7% para 2016, projeto teria sido aprovado

Este slideshow necessita de JavaScript.

O projeto do IPTU/ITU, rejeitado na tarde desta sexta-feira (19/12) na Câmara Municipal de Goiânia, tinha tudo para ser aprovado. A oposição, junto com o bloco moderado, argumentava junto à base aliada do prefeito Paulo Garcia (PT) para que fosse retirado do projeto o trecho que se referia ao aumento de 29,7% — sobre o valor de 25% de 2015 — do IPTU/ITU para 2016. A base, entretanto, não aceitou.

Logo quando a discussão foi iniciada, vereadores da oposição foram na tribuna apontar que o aumento para 2016 era inaceitável. Os parlamentares pediam que se destacasse da matéria o componente com o índice de 29,7%, e discutisse somente o aumento de 25% para 2015.

Conforme Djalma Araújo (SD), o regimento interno estabelece que a planta de valores seja discutida anualmente. Alguns vereadores da base do prefeito, como FeliSberto Tavares (PT) — que votou contra o projeto no ano passado, mas esse ano seguiu o prefeito — também argumentavam ser contra o aumento para 2016. “Eu não concordo, mas voto no projeto mesmo se não destacar. Conseguimos derrubar isso na Justiça depois”, disse.

Welington Peixoto (Pros), que votou a favor do projeto, também disse ser contra o aumento em 2016. Mas mesmo em dúvida, o vereador disse que votaria a favor — o que, de fato, o fez. “O Welington fala que está em dúvida, mas não dá conta não. Ele vota a favor”, disse um vereador da oposição.

Várias discussões acaloradas tomaram o plenários. Entre elas, uma entre Paulo Magalhães (SD) e Dr. Cristina (PSDB). O parlamentar mostrou um vídeo antigo de Cristina dizendo que aceitaria o projeto se o aumento fosse de no máximo 30%. A vereadora, ao se defender, disse que o integrante do Solidariedade se vendeu por alguns cargos de governo.

O embate não foi apenas no plenário, Com funcionários da prefeitura e pessoas apoiando a oposição na galeria, a gritaria às vezes impedia que os vereadores fossem ouvidos pelos presentes. Em um momento, quando Djalma falava, um grupo começou a gritar, e o vereador se exaltou. “Vão trabalhar”, disse, descendo da tribuna em seguida, e gritando com algumas pessoas da galeria. Quando Elias Vaz (PSB) falou a reação foi parecida. Vaiaram-no, e entoaram um “Elias bicheiro”, enquanto o parlamentar falava.

E depois de várias discussões; os parlamentares resolveram conversar. Integrantes da base, da oposição e do bloco moderado foram à sala das comissões, juntamente com o secretário de Finanças, Jeovalter Correia. A base foi pedir, junto com o bloco, a retirada da parte do projeto referente ao aumento para 2016. Questionado antes da reunião, o atual líder do governo, Carlos Soares (PT), disse que iriam discutir, mas não saberia se seria retirado ou não.

Depois da reunião, a votação foi logo anunciada pelo presidente Clécio Alves (PMDB). “Primeiro vamos votar a matéria, depois o destacamento do texto que se refere ao aumento de 29,7%”, disse. De acordo com ele, a ordem assim seria porque é o que estabelece o regimento interno.

E logo em seguida: “Encerrada a votação”, gritou Clécio. E a matéria do prefeito foi rejeitada pelo segundo ano consecutivo, por 17 votos contra 16. “Eles quiseram perder. Já viu isso?”, disse um vereador da base.

Isso porque se a base tivesse aceitado a retirada do texto, o projeto seria aprovado. O integrante do bloco moderado, Divino Rodrigues (Pros), só foi ao plenário no momento da votação, após oposição, bloco e base se reunirem. Conforme informações de bastidores, já estava acertado que Divino só votaria caso base não aceitasse proposta.

Sem o voto de Divino, haveria empate de 16 a 16, e o voto do presidente Clécio Alves desempataria de forma positiva para o prefeito. Entretanto, deve-se levar em consideração ainda o voto de Cida Garcêz (SD). A parlamentar foi a única a mudar seu voto, que na primeira votação foi pela aprovação da matéria. De acordo com ela, o motivo da mudança foi devido ao trecho do projeto que prevê o aumento de 29,7% para 2016. Ou seja, o projeto de Paulo Garcia seria aprovado por 17 votos contra 15.

De acordo com o presidente eleito da Casa para os próximos dois anos, Anselmo Pereira, houve um desentendimento entre os vereadores da base quanto à retirada do texto referente ao aumento para 2016. “Carlos [Soares] até aceitou, mas a Célia não, e o secretário [Jeovalter Correia] decidiu”, disse. Já Bernardo do Cais, do bloco moderado, garantiu: “Se a Célia [Valadão] não tivesse tumultuado lá, teria aprovado.”

Os vereadores do bloco moderado dizem que, mesmo com a retirada do texto referente ao aumento de 29,7%, votariam contra a matéria. “Somos totalmente contra esses 25%”, afirmou Zander. Bernardo do Cais, que não compareceu na primeira votação, confirmou o que foi dito por Zander. “Eu votaria mesmo assim com o bloco.”

A dança da vitória e a tristeza da derrota

Depois do fim da votação, pessoas das galerias que apoiavam os vereadores opositores, desceram, gritando e dançando junto com os parlamentares. O vereador Anselmo foi inclusive erguido, sob os gritos em uníssono: “Presidente! Presidente! Presidente.” Geovani Antônio ainda comentou: “Esse Anselmo, hein? Venceu na presidência, depois derrubou a líder de governo [Célia Valadão] e agora derruba o projeto do prefeito.” Anselmo ria de orelha a orelha da brincadeira.

A vereadora Cida Garcêz foi à tribuna e disse ter se arrependido de ter votado contra o projeto devido à reação da oposição, que dançou e pulou quando o resultado foi anunciado.

O líder do governo, Carlos Soares, disse: “Parabéns, Marconi Perillo”. O vereador afirmou que não foi surpresa alguma a vitória da oposição — “Atual base”, disse ele. De acordo com o petista, o almoço que Marconi teve com a oposição e o bloco moderado decidiu a votação. “Tentamos conversar, mas o resultado deu Marconi”, sustentou.

Carlos Soares ainda disse que a base do prefeito não aceitou retirar a parte da matéria referente ao aumento em 2016, por não sentir segurança de que o projeto seria aprovado. “A derrota não é do prefeito, é da cidade. Dois anos de atraso pro causa de interferência política partidária”, pontuou.

2 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

sen nome

Estado inferferindo, almoçando com veradores? Meu Deus que máfia! Coitado do prefeito,faz tanto tempo que não tem uma adequação desse IPTU!

sen nome

A vereadora esta deixando bem claro que é oportunista e maria vai com as outras, meu Deus como essas coisas ganham eleições?