Segurança Pública: Parlamentares avaliam 100 primeiros dias da gestão Caiado

Relembre fatos que marcaram a área e a opinião dos deputados Major Araújo, Eduardo Prado e Adriana Accorsi

Balanço dos 100 dias da gestão de Ronaldo Caiado na área da Segurança Pública_Jornal Opção
Foto: Divulgação

Lívia Barbosa e Felipe Cardoso

O governador Ronaldo Caiado (DEM) divulga nesta quarta-feira, 10, o balanço dos primeiros 100 dias de sua gestão à frente do governo de Goiás. Na área da Segurança Pública, os números apresentados nesses três primeiros meses mostram uma redução na criminalidade em diversas modalidades, assim como o aumento da produtividade das forças policiais.

O governador, acompanhado do secretário de Segurança Pública, Rodney Miranda, reuniu a imprensa diversas vezes neste período para apresentar resultados alcançados em operações, divulgar balanços e realizar entregas de viaturas. No entanto, algumas questões como déficit de policiais, não pagamento de promoções e salários atrasados são apontados como fatores negativos na área.

Extinção da 3ª classe

Com o fim da chamada 3ª classe, os agentes da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militar, agente e escrivão da Polícia Civil, de assistente de Gestão Prisional e de agente de Segurança Prisional, da Diretoria-Geral de Administração Penitenciária, incluídos nessa classe foram automaticamente transferidos para a  2ª Classe.

A extinção da terceira classe foi um compromisso de campanha do governador Ronaldo Caiado. Após a  aprovação da lei, os soldados que recebiam a remuneração inicial de R$2.126,07 passaram a receber R$5.766,64. De acordo com o secretário de Segurança Pública, Rodney Miranda, o impacto é de cerca de $11 milhões por ano.

Tributação de horas extras

A medida que visava tributar, cobrando INSS, as horas-extras de servidores de Goiás, entre eles os policiais militares, foi duramente criticada pela forças policiais e ganhou coro de parlamentares. Após muitas críticas, o governo recuou e engavetou a ideia.

Vale lembrar que na área da Segurança Pública, devido ao baixo efetivo, a realização de horas extras, conhecida como AC4, é comum e são parte importante do salário dos policiais.

Recursos Federais

Com bom trânsito em Brasília, o governador Ronaldo Caiado aposta na proximidade com o presidente Jair Bolsonaro para atrair investimentos e recursos para Goiás. Em um encontro com o ministro Sérgio Moro, Caiado relatou o quão difícil é para os gestores garantir o fundo penitenciário, que, na sua visão, tem um processo árduo na intenção de dificultar repasses. O governador afirmou em várias ocasiões que trabalha para facilitar a chegada de recursos federais ao Estado.

100 dias

Para fazer um balanço sobre a atuação do governador na Segurança nesses 100 dias, o Jornal Opção ouviu três parlamentares ligados às forças policiais: Major Araújo, delegado Eduardo Prado e delegada Adriana Accorsi. Confira a radiografia realizada pelos deputados goianos:

Deputado Major Araújo

A minha avaliação é que não mudou nada, não existe novidade, talvez só a motivação dos cerca de 3.500 homens que foram contemplados com o fim da terceira classe. É inegável que isso mexeu com a motivação deles. Mas o efetivo continua defasado, tem muita gente se aposentando até pelo receio da reforma da Previdência.

Também não houve avanço em relação ao pagamento dos salários atrasados de dezembro e no geral a política de Segurança Pública continua a mesma do governo passado. Houveram ações isoladas dos comandantes no sentido de buscar parte do efetivo que estava na Alego, tribunais e assistências para compor efetivo, mas ele é irrisório em relação ao déficit.

Agora também estamos enfrentando um grande problema que são os policiais da reserva que atuam nas escolas militares e atingiram o limite previsto em lei. Com o retorno desses profissionais à reserva esse “buraco” precisará ser coberto pelo pessoal da ativa. Ou seja, vai diminuir ainda mais o efetivo.

Não estamos vendo investimentos, pelo contrário existe uma economia. Temos equipamentos que tem prazo de validade, como coletes, que precisam ser repostos. Outro problema são os policiais promovidos ano passado e que até hoje não receberam a atualização salarial. A questão da hora-extra que sofreu cortes e depois fomos informados que os valores foram restituídos. Isso mostra que as reclamações são diversas.

A situação não mudou muito, o governo segue com a política do improviso. São inúmeros problemas crônicos que seguem sendo improvisados, mas faltam ações de governo. só vemos ações pontuais das tropas. A realização de um concurso sim seria um avanço, mas o secretário de Segurança já me sinalizou que não será feito este ano. Com isso, a investigação está prejudicada, precisamos repor delegados e agentes.

Essa situação irá se agravar já que nosso vizinho, o DF irá fazer concurso e com isso perderemos mais efetivo porque muitos homens deixam Goiás por conta das vantagens oferecidas lá. Dessa maneira, perdemos parte do efetivo e o investimento realizado para formar essa mão-de-obra qualificada que opta em trabalhar em um Estado que paga melhor.

Deputado Eduardo Prado

Tivemos um avanço positivo em relação aos números da criminalidade, a criação da regional de Trindade também é um grande avanço, além da extinção da terceira classe nas forças policiais. Isso gerou uma motivação nas tropas e era uma expectativa muito grande em relação à promessa de campanha do Caiado, que honrou esse compromisso. Em relação ao mês de dezembro o pleito continua e os profissionais estão aguardando.

Os índices diminuíram e iniciamos uma tratativa com o governo federal para que possamos trazer mais recursos para Goiás. Esses recursos serão destinados inclusive para a criação de grupos especializados na Polícia Civil e para construir um complexo de todas as especializadas em um só lugar. O governador Caiado também está me ajudando a buscar recursos federais para construir uma base para o GT3, nós já temos o terreno que foi doado pela Prefeitura quando eu era vereador.

Também estamos lutando pela realização de mais um concurso para agentes e escrivães e para o sistema prisional, estou pleiteando isso junto ao governo estadual e o Caiado, sensível aos nossos pleitos, afirmou que vai pedir um estudo técnico para ver a viabilidade do atendimento a essa situação emergencial.

Por tudo isso, avalio de forma positiva os 100 dias na Segurança Pública. Temos um secretário experiente e que está demonstrando um bom trabalho. Os efetivos tanto da Polícia Civil quanto da Polícia Militar estão elogiando o trabalho dele. E é só olhar os números que é possível ver avanços.  

Deputada Adriana Accorsi

É um governo que ainda não iniciou realmente e que tem se dedicado a colocar questões sobre a gestão passada. O atual governador passou toda a campanha falando que o estado estava um caos e que ele iria entrar para dar um rumo e consertar essa situação, o que não aconteceu ainda. E quem está pagando por isso é a população que necessita dos serviços básicos essenciais. O governo não começou, não tem programa algum que traga benefícios para a população sendo anunciado ou colocado em prática. E o governo federal segue da mesma forma. As coisas estão paradas e a população sem esperança das coisas melhorarem.

Confira também como foram os primeiros 100 dias em outras áreas:

Calamidade financeira e salário de dezembro protagonizam Economia nos 100 dias de Caiado

Em meio a greve da Educação, governo chega a 100 dias de mandato

Nos 100 dias de gestão, Governo tenta desafogar unidades de Saúde

4 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
3 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

José Nilton dos Santos Soares

Caiado ainda não esta governando Goias.

Renata Santos

Infelizmente, continuam os apadrinhados do ex governador no Tce. Tem q tomar uma medida e demitir tds. Como esta não tem como trabalhar. Inaceitavel

Renata Santos

Vou dar uma sugestão: para ser leal há necessidade de exonerar TODOS. O desmando no TCE é SUPREMO.

Tati Abreu

Tem comissionado do Tce que diz q não tem governo q os tiram de lá. Foram TODOS colocados por Marconi e Jose Eliton. TODOS com salários alto. Descabido