Conforme a pasta, atraso na folha pode afetar mais de 70% do funcionalismo público goiano

Manifestantes na entrada da Sefaz-GO
Manifestantes na entrada da Sefaz-GO

Atualizada às 20h15

A Secretaria da Fazenda de Goiás (Sefaz-GO) informou, no início da tarde desta quarta-feira (27/1), que já iniciou as negociações com os manifestantes que ocupam, desde a manhã, a seda da pasta, no Setor Vila Nova, em Goiânia.

[relacionadas artigos=”57424″]

Em nota, a secretaria informou também que a paralisação dos trabalhos na Sefaz pode acarretar em atrasos no pagamento da folha de mais de 70% dos servidores do Estado, cujos vencimentos totalizam até R$ 3,5 mil, e que seriam quitados até a próxima sexta-feira (29).

“Pelas conversas iniciadas e pela sensibilidade do grupo de manifestantes para que não prejudique os quase 110 mil servidores públicos estaduais, a expectativa é que a desocupação ocorra em breve”, avalia a secretaria na nota.

Os ocupantes integram o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e a Central Única dos Trabalhadores (CUT). Os grupos protestam contra a privatização da Celg e contra a implantação da gestão compartilhada na rede estadual de ensino. Segundo a assessoria de imprensa da Sefaz, a manifestação ocorre de maneira pacífica.

Normalização

Com a desocupação do prédio ainda nesta quarta-feira (27), a expectativa da Sefaz é que a normalização das atividades nesta quinta-feira (28) garanta que a folha de pagamento de mais de 70% do funcionalismo seja quitada dentro do mês trabalhado. Ou seja, não haverá atraso no pagamento.