Seduce anuncia concurso público e reajuste para temporários da Educação

Edital para professores e quadro administrativo sai até o mês de junho. Gestão também autorizou reposição da inflação para servidores temporários da pasta

A secretária de Educação, Cultura e Esporte de Goiás, Raquel Teixeira, anunciou, na manhã desta sexta-feira (24/3), em nome do governador Marconi Perillo, a realização de concurso público para professores e administrativos, solução para o Quadro Transitório do Magistério e reajuste salarial para os contratos temporários da pasta. O anúncio foi feito durante reunião com representantes do Sindicato dos Trabalhadores na Educação do Estado de Goiás (Sintego).

Raquel frisou que, apesar de todas as dificuldades impostas pela mais séria crise econômica da história do país, atender essas três reivindicações significa um esforço do governo de Goiás e um avanço muito importante para os servidores da rede estadual de educação. “A questão do concurso está, de fato, resolvida e eu considero isso uma vitória para a categoria. ”

Serão abertas 1 mil vagas, sendo 900 para professores de Matemática, Química e Física e 100 para o quadro administrativo de nível superior.  Raquel Teixeira informou que esse é apenas o início de um processo maior. “À medida em que formos substituindo os professores que estão fora de sua área de atuação, poderemos definir qual é o déficit real que temos e novos concursos serão realizados. ”

O edital deve ser publicado até o mês de junho. A secretária adiantou que o processo já está na Escola de Governo e até a próxima semana estará definida a instituição que ficará responsável pela organização do concurso. Segundo ela, esse é o primeiro passo para resolver a questão dos contratos temporários.

Sobre o reajuste para os servidores, Raquel ressaltou que o Governo de Goiás autorizou um índice para repor a inflação. “Estamos trabalhando com duas simulações para ver o que é possível fazer dentro das limitações financeiras do Estado, mas considero isso uma sinalização muito importante para que outras melhorias possam ser anunciadas. ”

Piso

Quanto ao pagamento do Piso Salarial Nacional e o Plano de Carreiras dos Administrativos, a secretária disse que ambos representam os dois maiores desafios a serem resolvidos e que já estão sendo analisados por uma comissão que inclui a Seduce e as secretarias da Fazenda e Planejamento, já que impactam diretamente na Previdência. “Estamos fazendo todo o empenho possível para encontrar logo uma solução”, explicou.

Além da secretária Raquel Teixeira e da presidente do Sintego, Bia de Lima, estavam no encontro o superintendente executivo Ivo Cézar Vilela e os superintendentes Marcos das Neves, Marcelo Jerônimo, Márcia Rocha Antunes, Regina Efigênia Rodrigues, Ralph Rangel, Solange Andrade, Rivael Aguiar Pereira, o subsecretário da regional metropolitana, Marcelo Ferreira, e representantes das subsecretarias regionais de Aparecida de Goiânia, Anápolis, Iporá e da Cidade de Goiás.

7 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
7 Comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Ronan Magalhães

Quem fez faculdade de letras, história ou outras áreas que não sejam de exatas, podem rasgar os devidos diplomas.

Maria Lúcia Barbosa

Todas essas promessas não muito boas. Mas e os professores Plll e Plv, que por mais de três anos não recebem nem um incentivo. Nem o piso, que é direito do servidor, o governo não nos repassou por mais de doi anos!

marcos aurélio magalhães de castro

A UFG é horrível , se for UFG a grande maioria dos cargos não serão ocupados . É uma
banca que super incompetente e ultrapassada e sempre quer barrar os candidatos com um altíssimo ponto de corte ,e mesmo que a concorrencia seja baixa a UFG nos atrapalha exigindo 70% para a aprovação.Além disso a UFG não admite os seus erros e ignora os recursos corretos dos candidatos .Se for UFG é melhor não ter concurso.

marcos aurélio magalhães de castro

A UFG tem as provas discursivas mais esdrúxulas e difíceis . Espero uma banca mais justa e competente com o cespe ou até mesmo a UEG .A UFG é a maior destruidora de sonhos e a banca mais injusta e incompetente.

GLAUCIENE CUNHA

O real déficit,posso não saber em números, pois não sei a quantidade de turmas que a rede estadual tem. Mas seria fácil saber… Quantos e de quais áreas temos contratos temporários? O déficit está aí, ora…..

Viviany

Alguém sabe dizer se o reajuste previsto é para os servidores da UEG também?

Miguel

Acredito que sim, pois fala educação, a não ser que a UEG não seja educação.

JOVENITA ALVES PEREIRA

muito digno. Os inativos tambem receberao aumento? Sempre vi no governador Marconi um bom administrador.