Secult pode ter sido alvo de rombo na gestão de Iris Rezende

Marley Costa e Otacílio Júnior são suspeitos de contratar em 2007 e 2008 a própria empresa, Contexto Comunicação, para evento promover Chorinho no Grande Hotel

Prédio histórico foi palco Chorinho no Grande Hotel, em 2007 e 2008 | Foto: Reprodução/Facebook Grande Hotel

Prédio histórico foi palco Chorinho no Grande Hotel, em 2007 e 2008 | Foto: Reprodução/Facebook Grande Hotel

A ex-assessora da Secretaria Municipal de Cultura (Secult) de Goiânia Marley Regina Costa Leite e o filho dela, Otacílio Augusto Gonçalves Rios Júnior, são alvos de ação civil pública por suposto ato de improbidade administrativa proposta pelo Ministério Público de Goiás (MPGO).

A iniciativa do promotor de Justiça Fernando Krebs também inclui a Contexto Comunicação Ltda, empresa que pertence aos dois. O dano causado aos cofres da Prefeitura de Goiânia é estimado em R$ 60 mil.

Segundo o MPGO, em 2007 e 2008 a Secult promoveu o evento Chorinho no Grande Hotel, no Centro de Goiânia. Para promover a revitalização do espaço, foram contratados grupos musicais e alugados equipamentos para a estrutura do show. A negociação ficou a cargo da assessora de Marley que, no cumprimento de suas atribuições, contratou a Contexto Comunicação para subcontratar músicos e as estruturas necessárias.

Krebs considera que, devido à natureza do projeto, não seria necessária a contratação da empresa para intermediar as negociações. Ele observa, ainda, que houve dispensa de licitação retirando da administração pública a possibilidade de selecionar a proposta mais vantajosa. “Está comprovado que Marley, como componente do quadro societário, privilegiou seus interesses pessoais em desfavor do órgão em que estava lotada. Além disso, por ser servidora pública, ela não poderia contratar sua empresa, conforme estabelece a Lei Orgânica do Município”, avalia o promotor.

O promotor requereu liminarmente o bloqueio de bens dos acionados no valor total de R$ 173,7 mile, ao final do processo, a condenação pela prática de ato de improbidade administrativa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.