Secretaria de Saúde não acatará recomendação do MPF para uso de cloroquina

Pasta considera que tratamento não tem comprovação científica

Hidroxicloroquina | Foto: Reprodução

A Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES) não acatará a recomendação do Ministério Público Federal em Goiás (MPF-GO) para disponibilizar hidroxicloroquina e azitromicina na rede pública de saúde. A pasta considera que o tratamento não tem comprovação científica.

Embora seja recomendado pelo Ministério da Saúde, e disponibilizada para uso de pacientes de grau leve da Covid-19, o uso das substâncias não será feito em massa. Segundo a secretaria, cada caso será avaliado individualmente pelo profissional médico, “que leva em consideração a peculiaridade de cada paciente”.

A mudança de protocolo para uso da hidroxicloroquina e azitromicina em pacientes de grau leve da Covid-19 na rede pública de saúde foi um dos pontos considerados sensíveis para a saída de dois ministros da Saúde, Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich, ambos médicos, durante a pandemia do coronavírus no país.

MPF

De autoria do procurador Ailton Benedito de Souza, a recomendação é de que o governo de Goiás e 119 municípios goianos disponibilizem a hidroxicloroquina e a azitromicina para uso precoce no tratamento da doença causada pelo coronavírus.

No mesmo dia, a Organização Mundial Saúde (OMS) anunciou que interrompeu os testes com os medicamentos para tratamento contra a Covid-19.

O anúncio aconteceu após publicação de estudo com 96 mil pacientes que constatou que as drogas não tem eficácia comprovada e ainda aumentam a chance de os pacientes morrerem ou terem arritmias cardíacas graves.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.