Cristiane Schmidt diz que apesar desse recurso, ano que vem é esperado um déficit superior a R$ 240 milhões

Secretária da Economia, Cristiane Schmidt | Foto: Mayara Carvalho/Jornal Opção

A secretária de Estado da Economia, Cristiane Schmidt, apresentou, na tarde desta terça-feira, 8, análise dos relatórios referentes às contas do segundo quadrimestre de 2020 em audiência pública realizada na Assembleia Legislativa de Goiás.

Durante a sessão, realizada pela Comissão de Tributação, Finanças e Orçamento, Cristiane Schmidt apontou que a reforma da previdência economizou para o Estado R$ 500 milhões neste ano. Sem a reforma, segundo a secretária, Goiás gastaria R$ 5,2 bilhões em 2020, no entanto o gasto foi de R$ 4,7 bilhões.

“No ano, vamos ter aumento do déficit de R$ 240 milhões. Mas a reforma foi benéfica ao Estado e os R$ 500 milhões foram muito bem-vindos. Poderia ter sido ainda melhor, não houvesse reforma das forças armadas”, disse.

Ainda sobre a folha, a secretária apontou que em agosto teve elevação de 16% no cômputo de ativos e inativos. Schmidt aponta que a Receita Corrente Líquida (RCL) de Goiás aumentou 7%. Ela aponta que não fosse transferências do governo federal, o número estaria negativo de 1,2%. 

“Foram R$ 1,8 bilhão em transferências, só de janeiro a outubro desse ano”. Se não fosse por essas transferências, provavelmente estaríamos, hoje, com problema na folha de pagamento. Além disso tivemos a transferência do auxílio emergencial diretamente às pessoas”, ressaltou. 

A secretária ainda apresentou que resultado orçamentário obteve um superávit de R$ 2,12 bilhões. O resultado primário R$ 1,81 bilhão, com RCL (de setembro a agosto) R$ 25,75 bilhões. A vinculação da Educação (valor liquidado) foi de 23,14% e da Saúde (liquidado) de 12,84%. O déficit previdênciário é de R$ 2,36 bilhões.

Emendas impositivas

A secretária reafirmou compromisso com as emendas impositivas destinadas, na ordem de R$ 5,5 milhões a cada parlamentar. Além disso, apontou que pode haver acréscimo no valor devido a cálculos preliminares realizados em agosto por causa da pandemia de Covid-19.

“Recalculamos esse valor e vimos que havíamos subestimado um pouco a nossa receita e, por isso, teremos um adicional nos valores das emendas, algo em torno de R$ 110 mil a R$ 130 mil para cada um”, disse.