Secima discute novas diretrizes para a Região Metropolitana de Goiânia

Evento realizado em parceria com a UFG discutiu estruturação, mobilização e articulação regional com representantes de 20 municípios da RMG

Secretário Vilmar Rocha ressaltou importância do diálogo com municípios | Foto: Comunicação Setorial da Secima

Secretário Vilmar Rocha ressaltou importância do diálogo com municípios | Foto: Comunicação Setorial da Secima

Com a intenção de implantar estratégias e novas diretrizes para consolidação do projeto de mudanças na Região Metropolitana de Goiânia, a Secretaria Estadual do Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Infraestrutura, Cidades e Assuntos Metropolitanos (Secima) e a Universidade Federal de Goiás (UFG) realizaram, nesta quinta-feira (25/8) o 1º Seminário do Plano de Desenvolvimento Integrado da Região Metropolitana de Goiânia (PDIRMG).

No encontro realizado no Campus I da UFG foram discutidos temas como estruturação, mobilização e articulação regional com representantes de 20 municípios que englobam a Região Metropolitana de Goiânia (RMG), além de autoridades, gestores públicos e sociedade em geral.

A pauta da reunião envolveu medidas afirmativas para a elaboração do PDIRMG como o cronograma de atividades e a metodologia que será usada na construção do processo. O titular da Secima, Vilmar Rocha (PSD), ressaltou a parceria do Governo com a UFG e destacou a importância de dar transparência aos serviços públicos e de dialogar com os municípios.

De acordo com o secretário, a consolidação da Região Metropolitana será feita por meio do PDIRMG. Essas decisões serão aplicadas de forma bem estudada e planejada, com o aval e engajamento de todos os municípios da RMG pautados no compromisso da seriedade, com passos firmes e sustentáveis”, finalizou.

A coordenadora geral do projeto do PDIRMG da UFG, professora Celene Cunha Monteiro, apontou o desafio de envolver os municípios da Região Metropolitana no processo de elaboração do plano. Para mobilizar os municípios, foram apresentadas experiências vividas por outros estados como São Paulo e Minais Gerais.

Queremos estabelecer uma parceria, uma convergência entre os atores envolvidos no processo para a aplicação das diretrizes na rede de transporte coletivo, mobilidade, abastecimento de água, conforto ambiental e técnico, além da otimização de serviços sociais gerando uma melhoria na qualidade de vida do cidadão”, destacou Celene. 

Para a coordenadora da UFG, impactos positivos e substanciais serão notados no aspecto da mobilidade, acessibilidade, habitação, transporte urbano e recursos naturais da Região Metropolitana ao final do processo.

O coordenador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), Marco Aurélio Costa, apontou que o PDIRMG é uma oportunidade para discutir um projeto de futuro. Para ele, o Estatuto da Metrópole colocou o tema na agenda das Políticas Públicas. “Goiânia é um caso raro do ponto de vista de transporte público, pois é uma região metropolitana privilegiada, já que tem um arranjo muito melhor que a média nacional”, destacou.

O superintendente executivo de Assuntos Metropolitanos, Marcelo Safadi destacou que as políticas públicas devem ser trabalhadas com o envolvimento dos atores do processo para o enfrentamento dos desafios de forma compartilhada e equilibrada. “A RMG é um grande acordo entre governo e população, no sentido de aproveitar os serviços públicos de maneira integrada, otimizando recursos e aumentando a qualidade dos mesmos”. (Com informações da Comunicação Setorial da Secima)

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.