“Se o PSL começar a obstruir projetos do governo, sairei junto com o presidente”, diz Paulo Trabalho

Líder do PSL na Assembleia Legislativa de Goiás espera que deputados federais tenham alinhamento junto a Bolsonaro

Foto: Fábio Costa/Jornal Opção

O líder do PSL na Assembleia Legislativa de Goiás (Alego), deputado Paulo Trabalho, comentou, na manhã desta quarta-feira, 23, a crise interna protagonizada por lideranças do partido na Câmara dos Deputados, em Brasília.

Trabalho considerou a situação “nada agradável” e desejou que o imbróglio seja resolvido o mais rápido possível. “Me mantenho fiel ao presidente Jair Bolsonaro e aos interesses da nação. Espero que os deputados federais, que são aqueles que realmente podem fazer as mudanças acontecerem, tenham alinhamento junto ao presidente”.

Em justificativa, o líder do partido na Casa considerou Bolsonaro “uma pessoa desinteressada”. “Ele não tem interesses particulares e não entrou ali para fazer negócio. Ele quer, na verdade, destravar o Brasil, que ele cresça, gere empregos e reduza impostos”, enumerou antes de reforçar que este tem sido o único propósito do presidente.

Fica?

Para trabalho, se o partido continuar na base do presidente será “confortável” continuar filiado. “Agora, se o PSL nacional começar a obstruir projetos do governo, sairei do partido junto com o presidente. Seria lamentável”.

Interferências

Questionado sobre as constantes intervenções dos filhos do presidente nos conflitos de repercussão nacional, Trabalho disparou: “Acho que precisam dar uma freada e aparecerem menos. O ideal seria que eles dessem menos palpites e fizessem o trabalho de senador, deputado federal e vereador que são. Eles precisam interferir menos na presidência pelo bem do Brasil. Não que eles sejam pessoas ruins, mas o povo quer o presidente governando, não os seus filhos”, finalizou.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.