Se eleito presidente da República, no domingo, 30, Lula da Silva, do PT, planeja, aparentemente, desmembrar o Ministério da Economia. Seriam recriados os ministérios da Fazenda e do Planejamento.

O mais cotado para o Ministério da Fazenda é o engenheiro Henrique Meirelles, ex-presidente do Banco Central (2003-2010) e ex-ministro da Fazenda do governo de Michel Temer.

Políticos ligados a Lula da Silva sondaram Henrique Meirelles. “Houve pessoas, não necessariamente, intermediários, com boas relações com o presidente [Lula], comigo, com o PT, que já me disseram: ‘Fica preparado’. O mesmo tipo de coisa, fica preparado, quem sabe pode acontecer de ser convidado para um cargo no governo. Mas não é uma coisa direta, oficial”, relatou o goiano de Anápolis na quinta-feira, 27.

“Existe uma preocupação grande por causa da experiência com o governo Dilma [Rousseff] e com as declarações de membros dessa corrente desenvolvimentista, entre aspas, de que o governo Dilma não deu certo porque foi sabotado e, agora, com a liderança do Lula, daria certo. O mercado não acredita nisso, como eu também não. Por outro lado, acredito que o mais provável é que o Lula repita, caso eleito, o primeiro governo dele, principalmente do primeiro mandato, que deu muito certo. Foi um governo em que a economia cresceu 4% em média durante 8 anos e criou 11 milhões de empregos”, sublinhou Henrique Meirelles, que é respeitado pelo mercado nacional e internacional.

Alexandre Padilha: deputado federal pelo PT de São Paulo | Foto: Divulgação

“Apesar de entender a preocupação do mercado, discordo dela. Temos um crescimento baixo, um discurso liberal grandioso, na direção correta, só que a prática com dificuldades de executar, ou por falta de poder da equipe econômica, ou pelo poder cedido, por forças das circunstâncias, ao Congresso”, acrescentou o executivo.

Se Henrique Meirelles é o preferido do mercado e do próprio Lula da Silva, um grupo do PT, apontado como “desenvolvimentista”, trabalha para tentar vetá-lo. Parte do petismo aposta que o deputado federal Alexandre Padilha (PT-SP) — médico que entende tanto de economia quanto Neymar de física quântica — será o ministro da Fazenda, em casa de vitória.

O Citibank, que evidentemente não é petista, avalia que Alexandre Padilha tem mais chance de ser ministro da Fazenda do que Henrique Meirelles. Por que o banco americano diz isto? Porque fiou-se em informações passadas por economistas e políticos do PT.

Mas setores do mercado e políticos avaliam que a escolha de Alexandre Padilha seria um equívoco, porque, sendo desenvolvimentista, lembra Guido Mantega, o ministro da Fazenda do governo de Dilma Rousseff. Há quem postule que, se o deputado for indicado, Guido Mantega, que é economista, seria a eminência parda do Ministério da Fazenda.

Há outra questão: Alexandre Padilha lembra Antônio Palocci, que, médico, foi ministro da Fazenda. Não chegou a ser ruim, por certo, mas, em termos de economia, era orientado por Henrique Meirelles, que foi presidente do Banco Central no governo de Lula da Silva. Por sinal, o ex-presidente queria o expert goiano no Ministério da Fazenda de Dilma Rousseff, porém, da escola desenvolvimentista, a ex-presidente não quis e seu governo naufragou.

Alexandre Padilha também é cotado para o Ministério do Planejamento.