Santa Casa tem 90 dias para corrigir problemas estruturais e evitar interdição

Cremego propôs a assinatura de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) para a correção de falhas estruturais, como a reforma de enfermarias 

Santa Casa | Foto: Larissa Quixabeira/Jornal Opção

O Conselho Regional de Medicina de Goiás (Cremego) definiu prazo de 90 dias para que a Santa Casa de Misericórdia de Goiânia sane as deficiências do hospital. Caso as falhas estruturais, como reforma das enfermarias, não sejam resolvidas, a unidade pode ser interditada.

A data foi estipulada após proposição de assinatura de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), que estabelece, ainda, 30 dias para solução de problemas emergenciais, como a falta de médicos.

No mês de agosto foi realizada uma vistoria na Santa Casa que constatou as falhas. Após nova avaliação no mês de setembro, o prazo para reformas foi anunciado.

De acordo com o Cremego, algumas medidas já foram sanadas e o centro cirúrgico e o pronto-socorro do hospital estão funcionando, embora com a capacidade de atendimento reduzida. A farmácia, antes desfalcada de medicamentos essenciais, também foi abastecida. A assistência a pacientes com câncer e demais tratamentos, antes comprometidos, também foram normalizados.

Acontece que alguns problemas considerados graves ainda persistem, como o déficit no quadro de funcionários. No local, por exemplo, há apenas um médico obstetra no plantão e a escala de pediatras também está incompleta.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.