Santa Casa de Misericórdia de Goiânia deixa de atender serviços de obstetrícia

Até segunda ordem, a área de pediatria continua em funcionamento

O serviço de maternidade da Santa Casa de Misericórdia de Goiânia deixa de funcionar a partir desta segunda-feira (30/4). A informação já havia sido adiantada no último dia 10 pela própria unidade. A suspensão se dá porque faltam servidores disponíveis.

Os profissionais se recusam a atuar na unidade por conta do valor defasado pago pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Até segunda ordem, a área de pediatria continua em funcionamento.

Segundo a Santa Casa, novos serviços passarão a ser oferecidos pela unidade e outros terão o atendimento ampliado conforme as necessidades dos beneficiários do SUS.

2 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ziro

Pedi licença do trabalho, e fui hoje (30/04/2018) ao posto de saúde do Novo Horizonte / Goiânia, em decorrência de uma consulta médica. Ocorreu que o estabelecimento estava fechado, ou seja, num total desrespeito ao cidadão pagador de impostos, pois isso é um rou bo, pois ganhar sem trabalhar é vantagem indevida. CONCLUSÃO: a solução é simples privatização de tudo, inclusive do judiciário, de tudo mesmo, e redução da carga tributária dos atuais 70% do PIB para 15%, aí sim, estaremos vivendo numa democracia, porque do jeito que está, tudo nas mãos do Estado imprestável não passa de uma Cleptocracia.

ziro

Na minha opinião, a saúde pública de Goiânia já é caso de polícia. Porque o cidadão brasileiro paga uma das maiores cargas tributárias do planeta por um serviço público de péssima qualidade. A causa é a impunidade dos gestores públicos do executivo garantida pelo pode judiciário que através das omissões observadas nas suas decisões garantem os desgovernos em troca da garantia de super salários, feriados prolongados e mordomias. A solução é simples, privatização de tudo, inclusive do poder judiciário. Chega de “autoridades de estado” que não está nem aí com o país.