Sandramara Chaves vence consulta à comunidade universitária para a Reitoria da UFG

Composta pela atual vice-reitora da UFG, Sandramara Chaves, e pelo pró-reitor Jesiel Freitas Carvalho, a chapa “UFG Viva!” venceu a disputa com 3.629 votos

Professora Sandramara Matias Chaves e professor Jesiel Freitas Carvalho, vencedores da Consulta à Comunidade Universitária da UFG | Fotos: Reprodução

A Consulta à Comunidade Universitária realizada para definir a lista de candidatos a comandarem a Universidade Federal de Goiás (UFG) teve resultado definido na noite desta quarta-feira, 9.

Com 3.629 votos, a Chapa 1, UFG Viva!, encabeçada por Sandramara Matias Chaves, (como candidata a reitora) e por Jesiel Freitas Carvalho (candidato a vice-reitor), venceu a chapa 2, Movimenta UFG, que obteve 2.012 votos.

Emocionada com o resultado, Sandramara, atual vice-reitora, afirmou que o principal objetivo da chapa para a gestão é dar continuidade ao trabalho que já vem sendo desenvolvido por Edward Madureira. “Nosso projeto e toda a campanha foram construídos coletivamente com a participação dos três segmentos da comunidade universitária: professores, estudantes e servidores técnico-administrativos”, afirma.

Sandramara disse que “nosso compromisso é continuar defendendo a UFG, um patrimônio do povo goiano, e trabalhar para fortalecer as ações internas e as ações que a UFG desenvolve para a sociedade. Vamos fortalecer a compreensão que temos sobre a universidade publica, gratuita, laica, de qualidade, inclusiva, plural e democrática”, complementa.

Ao traçar um panorama sobre a construção da campanha, ressalta que o processo girou em torno de 21 eixos temáticos, como graduação, pós-graduação, pesquisa, inovação, mulheres na comunidade universitária, entre outros, que foram analisados por grupos de discussão. O objetivo, segundo Sandramara é que, com a análise da “universidade de hoje, fosse possível projetar a universidade dos próximos quatro anos, para rever o que for necessário e ousar trazendo novas conquistas”. 

Sandramara conta que os eixos temáticos, que propõem ações de acolhimento e apoio às mulheres da comunidade universitária, de melhorias na saúde da comunidade universitária, de valorização ao protagonismo estudantil e que visam a promoção da permanência dos estudantes dentro da universidade. 

“Sabemos que temos grandes desafios pela frente e que essa escolha pela comunidade universitária reflete o que ela deseja para a gestão de 2022 a 2025, mas estamos preparados para esses enfrentamentos e para continuar lutando em prol da UFG, agregando forças e fortalecendo a luta pela universidade. A causa é comum a toda a comunidade universitária e é importante a toda a sociedade, devido ao impacto que a UFG promove na vida de toda a população”, complementa Sandramara. 

Questionada pelo Jornal Opção acerca dos desafios a enfrentar, Sandramara ressaltou a importância de trabalhar na recomposição do orçamento, especialmente quanto à assistência estudantil. “Sabemos dos grandes desafios que teremos pela frente para defender a universidade e trabalhar para que a universidade continue crescendo e sendo uma referência no ensino, na pesquisa, na extensão, no país e em cenário internacional”, esclarece.

A chapa de oposição, Movimenta UFG!, composta pelos professores Clorinda Fioravanti e Adriano Correia, ressaltou a dificuldade a ser enfrentada pela próxima gestão. “Vai ser uma gestão difícil, de luta, com ausência de recursos. Eles terão de sensibilizar mais pessoas dentro da universidade, buscar maneiras de fazer parceria e de conseguir recursos para manter a universidade em pé”, declarou Clorinda, que foi candidata à reitora.

Os membros da chapa 2 ainda declararam que não têm a intenção de fazer oposição sistemática, de modo que seus nomes não estarão na lista tríplice a ser analisada por Bolsonaro. “Nosso objetivo com a chapa era dar uma arejada na UFG, já que esse grupo está no poder há 16 anos e agora deve ficar por 20, e isso não é saudável em democracia nenhuma”, disse Clorinda. O candidato a vice-reitor pela chapa 2, professor Adriano Correia, afirmou que, caso os nomes da chapa 2 apareçam na lista tríplice, “será pedido que sejam retirados”.

Após a divulgação dos resultados da consulta acadêmica, Sandramara agradeceu à Chapa 2 e, ao Jornal Opção, parabenizou Clorinda e Adriano “pelo debate respeitoso, pelo compromisso com a participação da comunidade universitária”. Apesar de se manter oposição, a Chapa 2 declarou que defenderá o resultado das eleições.

“Discordamos do modo que a campanha foi levada, mas de modo algum vamos fragilizar o processo. Nós somos oposição, mas não estamos divididos, nem somos inimigos. Estamos fortalecidos. Se a gestão tivesse continuidade com uma chapa única, não se saberia de uma série de problemas que ajudamos a levantar e que foram, inclusive, incorporados pela Sandramara depois que propusemos”, acrescentou Adriano.

Após o resultado, Clorinda afirma que os membros da Chapa 2 simplesmente “continuarão trabalhando onde sempre estiveram”, em suas respectivas unidades dentro da Universidade e em entidades fora da instituição, como a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e o Conselho Nacional de Pesquisas (CNPq). “Não é uma característica desse grupo que os cargos e as pró-reitorias sejam ocupados fora dele”, completou.

Os resultados da Consulta à Comunidade Universitária da Universidade Federal de Goiás (UFG) foram apurados pela Comissão Organizadora à Consulta (COC), composta pelo Sindicato dos Docentes das Universidades Federais de Goiás (Adufg Sindicato), pelo Sindicato dos Trabalhadores em Instituições Federais de Ensino Superior em Goiás (Sint-Ifesgo), pelo Diretório Central dos Estudantes (DCE) e pela Associação de Pós-graduandas e Pós-graduandos da UFG (APG).

O nome de Sandramara será encaminhado ao Conselho Universitário para ser referendado e, então, encabeçar uma lista tríplice que será levada a Jair Bolsonaro (sem partido). O presidente, então, escolherá quem será o reitor no quadriênio 2022-2025 – a tradição é de que se mantenha o desejo da comunidade universitária, mas isso nem sempre tem sido respeitado nos últimos anos. 

Conheça os vencedores da Consulta à Comunidade Universitária

Sandramara Matias Chaves é professora da Faculdade de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências da UFG. É pedagoga, com mestrado em Educação pela UFG e doutorado pela USP. Foi pró-reitora de Graduação de 2006 a 2013. Desde 2018 é vice-reitora no mandato do professor Edward Madureira.

Jesiel Freitas Carvalho é professor do Instituto de Física e dos PPGs em Física e em Química da UFG. É físico, mestre em Física e doutor em Ciência e Engenharia de Materiais pela USP. Foi  coordenador do Programa de Pós-Graduação em Física por dois mandatos e trabalhou pela implantação e consolidação do Parque Tecnológico Samambaia. É pró-reitor de Pesquisa e Inovação desde 2018, na gestão do professor Edward.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.