Saiba como foi o primeiro dia de funcionamento do CityBus 2.0

O Jornal Opção testou o serviço e comprovou, pelos uso nesta segunda-feira, 11, que aplicativo funcionou com atrasos, mas de forma regular

Foto: Luiz Phillipe Araújo

Em fase de teste o CITYBUS 2.0. começou a operar nesta segunda-feira, 11, e, para saber como o aplicativo estava funcionando, o Jornal Opção decidiu utilizar o novo serviço de transporte coletivo da HP Transportes.

O primeiro passo, instalar o aplicativo, não foi difícil. O único problema foi encontrá-lo na lista de busca, mas deslizando para baixo, foi possível encontrá-lo com a seguinte logo:

Imagem: divulgação

Para poder utilizar os serviços foi preciso fazer um cadastro, que também foi uma tarefa fácil. Sem travar e sem lentidão, foi possível concluir o preenchimento das abas e, assim, poder escolher o local de destino.

Vale reforçar, porém, que o aplicativo está em fase de teste e, por isso, não atende toda a capital de Goiânia. Estão disponíveis apenas os bairros do centro estendido como o próprio centro, Setores Sul, Oeste, Marista, Bueno, Bela Vista, Serrinha, Nova Suíça, Jardim Goiás, Universitário e Aeroporto.

Na hora de selecionar, no mapa, o local de partida – setor Bueno – e de destino – setor Universitário – o aplicativo indicou um ponto disponível a poucos metros da redação.

Porém, já no local combinado para embarcar, a corrida foi cancelada e reativada três vezes, até que, na quarta vez, um motorista aceitou o caminho e o veículo chegou cerca de 19 minutos – margem de 5 minutos de atraso.

Mensagem enviada pelo aplicativo CityBus 2.0 para avisar sobre atraso do miniônibus | Imagem: luiz Phillipe Araújo

Dentro do miniônibus, o único passageiro era o estagiário do Jornal Opção. Com climatização agradável, motorista e auxiliar simpáticos a corrida demorou cerca de 20 minutos para chegar no local de destino. O trajeto custou R$ 10,00.

O mesmo trajeto feito pelo Uber, de acordo com a estimativa dada pelo aplicativo, ficaria R$ 14,40. Com o aplicativo 99Pop o preço seria R$ 11,00.

No fim, com base nesta experiência, foi possível comprovar que, para o primeiro dia, o aplicativo funcionou de forma regular. De acordo com o estagiário da redação, Luiz Phillipe Araújo, o tempo de espera e a impossibilidade de não poder falar com o motorista ou auxiliar do veículo atrapalha o serviço.

Além disso, ele considerou que para saídas em grupo, o sistema é mais válido, financeiramente falando, do que para uma única pessoa, já que o preço se aproxima tanto de outros aplicativos já existentes.

Frota e download

A frota do CityBus 2.0 conta com 14 miniônibus que funcionarão das seis da manhã às 11 da noite de segunda-feira a sábado e que poderá ser aumentada, caso haja demanda nestes seis meses de projeto piloto. O aplicativo CITYBUS 2.0 pode ser baixado nas plataformas Android e IOS.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Bruno Araujo

Em corridas via uber ou 99, o valor sai praticamente a mesma coisa e te busca e deixa na porta. Outra coisa é sobre o numero de pessoas, nesse CityBus 2.0 cobra-se por pessoa, ou seja se for 4 pessoas a corrida sai por 40 reais… entretanto no uber pode ir 4 pessoas pelo mesmo valor.

Karla Alves

O aplicativo não aparece no Google store.