Roselma Lucchese, reitora recém empossada da UFCAT, fala sobre planos para instituição

Reitora pro tempore foi empossada na última quinta-feira, 12, e conta com apoio da UFG e ADUFG para a construção e fortalecimento da Universidade Federal de Catalão

Roselma Lucchese: reitora temporária da Universidade de Catalão | Foto: Reprodução

Desmembrada da Universidade Federal de Goiás (UFG) desde março de 2018, a Universidade Federal de Catalão (UFCAT) teve sua primeira reitora empossada na última quinta-feira, 12. Roselma Lucchese é reitora pro tempore e falou ao Jornal Opção sobre as expectativas para a recém criada universidade.

De acordo com Lucchese, o primeiro passo agora será o de conduzir o processo de elaboração do estatuto e do regimento da UFCAT, com qualidade e amplo debate na comunidade acadêmica e da sociedade catalana, para que, no menor tempo possível, seja realizada a primeira eleição para reitor. “Além disso, queremos afirmar a UFCAT como patrimônio de todo o estado de Goiás e da região Central do País, ampliando nossa atuação para todas as regiões, em especial o interior do estado. O desafio imediato é melhorar nossos indicadores e ampliar as parcerias com o setor produtivo, o que já vínhamos fazendo enquanto Regional da UFG, e também combater a evasão de estudantes, um problema que assola todas as universidades, mas que afeta mais fortemente as localizadas no interior”, declarou a reitora.

Para que os objetivos sejam alcançados, Lucchese informa que será possível ao melhorar a assistência estudantil com a inauguração, em julho, da Casa do Estudante, e com a criação de uma política de critérios de inclusão regional, com cota regional, para que o estudante goiano maiores chances de ocupar vaga na universidade, como já ocorre em outras universidades do Brasil. “A autonomia nos permite isso”, afirmou a reitora.

Demora na criação

Para Lucchese a demora foi algo que causou bastante apreensão, especialmente com as mudanças ocorridas no Ministério da Educação que, desde o dia 20 de março de 2018, teve quatro ministros. “Mesmo assim nunca deixamos de trabalhar para fazer a UFCAT sair do papel e, nesse ponto, a atuação de nossos representantes políticos foi fundamental e merece ser ressaltada, sem esse apoio dificilmente a UFCAT e as outras quatro ‘supernovas’ universidades ainda seriam apenas um sonho”, comemorou.

Relação com a UFG

Sobre como fica o relacionamento entre a UFCAT e a UFG, a reitora destaca a parceria firmada entre as Federais. “A relação é a melhor possível. A UFG é nossa mãe e tudo que somos devemos a ela. É nossa tutora e a relação respeitosa que temos continuará pelo tempo que for necessário. Não seremos instituições adversárias, mas sim parceiras no grande sistema de ensino superior federal”, ressalta.

Sindicato dos docentes em Goiás

Sobre o Sindicato dos Docentes das Universidades Federais de Goiás (ADUFG), Lucchese afirma que permanece a relação e a necessidade de apoio que a universidade tem do sindicato. “A ADUFG legalmente é o sindicato dos docentes das instituições de ensino superior do estado de Goiás, isso não muda com a UFCAT ou com a UFG. O que existe são outras formas de organização de docentes e técnicos consolidadas historicamente nos campus do interior e estas também permanecem atenção. Fica a critério do docente filiar-se. Contamos com apoio da ADUFG na construção da UFCAT.”

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.