O novo deputado estadual José Nelto disse que o democrata é a “paixão” de sua sigla. Por isso, o senador eleito neste pleito é um bom nome para o Palácio das Esmeraldas

Integrante da ala irista, José Nelto adianta Daniel Vilela (PMDB) e Ronaldo Caiado (DEM) para disputar o governo | Foto: Reprodução/Assembleia Legislativa
Integrante da ala irista, José Nelto adianta Daniel Vilela (PMDB) e Ronaldo Caiado (DEM) para disputar o governo | Foto: Reprodução/Assembleia Legislativa

O PMDB já tem dois nomes para disputar o governo estadual em 2018: Daniel Vilela, deputado estadual eleito para a Câmara dos Deputados, e o deputado federal Ronaldo Caiado (DEM), que conquistou uma vaga ao Senado para os próximos oito anos na coligação Amor por Goiás, de Iris Rezende (PMDB), derrotado no segundo turno.

As indicações pós-eleições partiram de José Nelto (PMDB), que se elegeu à Assembleia Legislativa. “É a paixão do PMDB”, disse ele ao Jornal Opção Online nesta segunda-feira (27/10), referindo-se a Ronaldo Caiado. O peemedebista é um dos principais representantes da ala de Iris Rezende.

“O PMDB deu votação expressiva para o senador. Foi leal e fiel ao Ronaldo Caiado, e ele também foi para a gente. [O nome dele] Está na boca dos peemedebistas de todo o Estado de Goiás. Ele tem a marca da honestidade e irá resgatar a cadeira do Palácio das Esmeraldas”, avaliou José Nelto, demonstrando mais afinidade com o nome do democrata.

O político levantou as hipóteses ao ser questionado se sua sigla deveria renovar os quadros em Goiás.

Desempenho

José Nelto também comentou o desempenho de seu partido nessas eleições. Sobre a derrota de seu candidato a governador, Iris Rezende, disse que o decano do PMDB “cumpriu um papel” com a vida pública dele. “É uma vida ativa, Iris Rezende é um animal político. Mas vejo que está descartada qualquer nova candidatura”, avaliou.

[relacionadas artigos=”19093,19083″]

Para o novo deputado, o baixo desempenho do PMDB nas votações para a Assembleia Legislativa e a Câmara dos Deputados foi reflexo da falta de investimento por parte da campanha de Iris Rezende. “Defendo a reunião da bancada para ganhar o governo em 2018”, previu, completando que, daqui para frente, terá de ser feita uma reflexão: “Onde erramos?”.

Em sua análise, destacou que, além da oposição ter saído dividida para a disputa, o grupo oposicionista subestimou o atual governo. A respeito dos filiados que declararam apoio ao projeto de reeleição de Marconi Perillo (PSDB), ele mirou diretamente no comportamento do empresário José Batista Júnior, o Júnior Friboi. “Primeiramente, temos que discutir a infidelidade partidária dele, que mostrou não ser do PMDB. Ele é mais negociante do que político”, criticou.

O peemedebista ressaltou ainda que é preciso ampliar as articulações com as outras legendas de oposição na Casa de Leis estadual. Listando que o governador — eleito para o quarto mandato no último domingo (26) — tem “deputados sobrando” para aprovar projetos na Assembleia, o irista adiantou que pretende conversar com o governo de Goiás (e não diretamente com o tucano) para votar a favor de propostas que beneficiem a população. “Não serei o Ulisses Guimarães, e sim Tancredo Neves. Quero novas articulações visando o melhor. Vou cobrar quando necessário e serei implacável contra a corrupção”, finalizou.