Rogério Cruz faz prestação de contas aos vereadores

Na educação, a aplicação legal de verbas foi de 25,49%; já a receita total intra-orçamentária, de janeiro a dezembro de 2021, atingiu mais de R$ 6 bilhões

Nesta segunda-feira, 18, o prefeito de Goiânia, Rogério Cruz (Republicanos) realizou a Prestação de Contas do 3º Quadrimestre de 2021 do município no Plenário da Câmara Municipal. Na ocasião, as prestações de cada quadrimestre (janeiro-abril; maio-agosto; setembro-dezembro) ocorreram em cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal. Na educação, a aplicação legal de verbas na área foi de 25,49%. 

Os investimentos da educação superaram o mínimo constitucional, que é estabelecido em 25%. Segundo Rogério Cruz, as verbas foram utilizadas para a abertura de mais de três mil vagas na rede municipal, inauguração de novos Cmeis e novas escolas em tempo integral. “Além de termos repassado mais de 33 milhões para reformar todas as unidades escolares, ou até mesmo investir em câmeras de monitoramento, como muitas unidades fizeram”, disse o prefeito. 

Rogério Cruz também lembrou da correção salarial para os professores, dentro dos limites da responsabilidade fiscal. “Devo manter a responsabilidade fiscal nas despesas com o pessoal, fechadas em 46% da receita corrente líquida ajustada”, afirmou durante evento.

Na ocasião, o chefe do Executivo também apresentou aos parlamentares o relatório da gestão fiscal, incluindo a aplicação legal de verbas nas áreas, da educação e saúde, além dos custos da manutenção da administração pública e de investimentos, como obras em andamento e a situação financeira do município. A prestação de contas foi realizada à Comissão Mista, presidida pelo vereador Cabo Senna (PRP).

Com isso, um dos números apresentados foi o da receita total intra-orçamentária, que representa os 12 meses de 2021. De janeiro a dezembro de 2021, a Receita Total de Goiânia atingiu mais de R$ 6 bilhões (6.519.783.640,87). Apenas no Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), a prefeitura arrecadou um total de 840 bilhões de reais. Em um comparativo com o ano de 2021, a  variação nominal foi de 6,32%. Isto é, no ano de 2020 a prefeitura arrecadou 6.172.117, enquanto que em 2021 foram os mais de 6 bilhões de reais. 

Os números foram apresentados pelo secretário de finanças, Vinicius Henrique, que completou quatro semanas a frente da pasta. Além disso, na folha de pagamento, foram gastos mais de 3 bilhões de reais. Com pessoas e encargos, foram um total de 3.066.624.327, 72. Já as despesas empenhadas (intra) do município somaram um total de 6.370.014.4772, 47, também de janeiro a dezembro do ano passado. Nas despesas, houve um aumento em relação a 2020 devido a inflação, lembrou o secretário de finanças.

Saúde

Na saúde, os recursos constitucionais no terceiro quadrimestre de 2021 também superaram o valor mínimo estabelecido de 15% e chegaram a 20,92%. Foi superado, em 40%, o limite constitucional obrigatório de 15%. Ao todo, foram investidos 20, 92% da receita para cuidar da saúde. Foram 228 milhões a mais do que o previsto. 

Além disso, segundo o prefeito de Goiânia, em 2021 foi um ano difícil para a saúde devido a segunda onda de Covid-19. No ano de 2020, ainda houve um auxílio da União no valor de 2015 milhões 738.725, 16 para o combate à pandemia, o que não teria ocorrido em 2021. Desta forma, os atendimentos foram bancados pelo caixa da prefeitura.

“Embora o município tenha atravessado o pior cenário relacionado à saúde pública no ano passado. O gasto com abertura de novos leitos, testagem em massa, vigilância epidemiológica e contratação do pessoal e toda logística para vacinação, entre outras ações, foram bancadas pelo caixa da prefeitura de Goiânia”, disse o prefeito da capital.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.