Roberto Campos Neto comanda Banco Central em governo de Bolsonaro

Nome ainda precisa ser aprovado no Senado Federal

Foto: divulgação

A equipe de transição do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) anunciou que o economista Roberto Campos Neto, executivo do Santander, é o indicado para comandar o Banco Central na gestão de Bolsonaro. Economista substitui Ilan Goldfajn na presidência do banco.

Roberto é neto do economista Roberto Campos, expoente do pensamento liberal e defensor do Estado mínimo. O avô já ocupou o Ministério do Planejamento e a Coordenação Econômica no governo Castelo Branco, durante a Ditadura Militar.

Para assumir o BC, ele será sabatinado pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado Federal e terá de ter seu nome aprovado. Também precisará passar pelo crivo do plenário da Casa. O presidente do Banco Central tem status de ministro. Deste modo, tem foro privilegiado. Hoje, Campos Neto é responsável pela tesouraria do banco Santander.

Conheça

Roberto tem 49 anos e é formado em Economia pela Universidade da Califórnia, com especialização em Economia com ênfase em Finanças, pela Universidade da Califórnia, em Los Angeles.

Ele trabalhou no Banco Bozano Simonsen de 1996 a 1999. De 2000 a 2003, trabalhou como Chefe da área de Renda Fixa Internacional no Santander Brasil. Em 2004, ocupou a posição de Gerente de Carteiras na Claritas. Ingressou no Santander Brasil em 2005 como Operador e em 2006 foi Chefe do Setor de Trading. Em 2010, passou a ser responsável pela área de Proprietária de Tesouraria e Formador de Mercado Regional & Internacional.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.