Renato de Castro quer PMDB, PT e DEM unidos em 2016: “De repente Caiado abre o coração”

Deputado petista torce para aliança PT-PMDB continuar nas próximas eleições e afirma que em política “tudo é possível”

Deputado Renato de Castro durante cerimônia de posse na Assembleia | Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

Deputado Renato de Castro durante cerimônia de posse na Assembleia | Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

O deputado estadual Renato de Castro (PT) afirmou, no último domingo (1º/2), que torce para a aliança PT-PMDB continuar em 2016, mas que tem um “elemento novo” que pode mudar a situação. O elemento citado é o senador Ronaldo Caiado (DEM), que já afirmou apoiar a candidatura de Iris Rezende (PMDB), desde que o PT não esteja junto.

Porém, de acordo com o deputado, ainda não podem ser feitas previsões. “É política, tudo é possível, e de repente o Caiado abre o coração pra um lado, o PT abre pro outro e junta todo mundo aí, juntamente com o PMDB também. Acho que em política tudo é possível e não descarto que essa aliança continue em 2016 não”, afirmou.

O deputado ainda falou sobre a possibilidade de o PT lançar candidato próprio à Prefeitura de Goiânia. De acordo com ele, se a aliança se desfizer, o partido deve lançar um nome. “Eu acredito que um partido do tamanho do PT não vai deixar de lançar candidato a prefeito se não tiver unido com o PMDB.”

Caso os partidos continuem unidos, “tudo é questão de conversar e negociar”. Para Renato, as divergências políticas são “naturais” e, quando chega a hora, os partidos devem “sentar na mesa e apararem as arestas”. Se conseguirem, a aliança continua. Caso contrário, “cada um lança o seu candidato e isso é natural da democracia”.

Atuação na Assembleia

Renato de Castro foi eleito pela região do Vale do São Patrício, que engloba cidades como Goianésia, Jaraguá, Ceres e Itapuranga e integra a bancada de oposição. De acordo com ele, sua atuação será feita de “maneira moderada”.

O ex-vice-prefeito de Goianésia afirmou que pretende fazer uma oposição equilibrada, “votando aquilo que for a favor da população do Estado de Goiás e aquilo que não for, tentar pelo menos amenizar”.

De acordo com o deputado, a crítica pela crítica não vale. “Nós temos que criticar o que for ruim. O que o Governo mandar de bom para cá, nós vamos aprovar, sem dúvida” e finalizou dizendo que aprovaria os projetos do Governo com facilidade. “Se for bom pro povo, por que não?”

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.