À pedido de Daniel, aliados elaboraram documento que resgata os feitos do emedebista para o município   

Quando Maguito Vilela (MDB) assumiu a prefeitura de Aparecida de Goiânia, em 1º de janeiro de 2009, o município era apelidado de ‘cidade dormitório’, isso porque, a maioria da população trabalhava em Goiânia e retornava à cidade apenas para dormir. O emedebista em curto espaço de tempo conseguiu mudar essa realidade e diversas outras. Dentre as mais significativas: a dignidade dos próprios aparecidenses que tinham vergonha de dizer aos quatro cantos que moravam no município. Então prefeito, ele conseguiu retirar a cidade das páginas policiais dos jornais e a colocar nas de economia, política e cultura. No entanto, ao deixar a gestão, e ser substituído por Gustavo Mendanha, hoje no Patriotas e pré-candidato ao Governo de Goiás, Aparecida retrocedeu.

Escândalo de corrupção, recuo em ranking de competitividade dos municípios e de transparência na gestão pública; queda de investimentos públicos; déficit na geração de empregos, falta de vagas em creches, greves de servidores públicos, como de professores e da Guarda Civil Municipal (GCM) – esses ficaram por meses acampados na frente da sede da prefeitura, cobrando reajuste salarial.  

Apenas cabe ressaltar que, como havia recursos em caixa da gestão de Maguito (2009/2012 – 2013/2016), Mendanha teve que concluir o Hospital Municipal de Aparecida (Hmap), o Centro Clínico, que foi fechado, e depois passou a funcionar como centro de atendimento da Covid; o Anfiteatro, conclusões de construções de creches, conclusões de obras de pavimentação de quatro eixos estruturantes norte/sul. Obras essas listadas por Gustavo como sendo de implantação do seu governo.

Com os dois mandatos consecutivos de Maguito, o ex-deputado Euler Martins (MDB) destaca que Aparecida pode experimentar a transformação social e econômica, a ponto de a população expressar convictamente que existe uma cidade antes e outra após as gestões. Nesse período, Aparecida deixou de ser uma cidade dormitório para se transformar num importante polo industrial, empresarial, universitário e logístico, sendo uma das principais locomotivas do desenvolvimento econômico do Estado de Goiás.

Para se ter ideia, o município se consolidou como um dos três municípios que figuram entre as 100 maiores economias do Brasil, com um crescimento do PIB de 122%, no período de 2008 a 2018, atingindo o valor de R$ 12,9 milhões, segundo o IBGE. “É importante destacar a visão empreendedora do prefeito Maguito. Ele uniu com diversas ações as três partes do processo produtivo: Poder Público Municipal, empreendedores e trabalhadores. Assim, criou uma sinergia entre elas propiciando um surto no desenvolvimento do Município”.

O jornal Opção procurou as assessorias de imprensa da Prefeitura de Aparecida de Goiânia e do pré-candidato Gustavo Mendanha para saber se havia uma relatório indicando quais as principais obras do ex-prefeito para o município, mas não obteve resposta.

Confira o relatório do legado de Maguito Vilela (2009/2012 – 2013/2016): 

  • Criou a Nota Fiscal Eletrônica em 2009, sendo o primeiro município goiano a fazê-lo; 
  • Criou o Estatuto do Micro e Pequeno Empresário, no primeiro ano de governo; 
  • Desburocratizou o processo de abertura de empresas no município, sendo que o prazo caiu de 150, em média, para 2 dias; 
  • Criou a Casa do Pequeno Empreendedor, onde estavam todos os órgãos afetos às necessidades destes, incluindo CEF, Sefaz, Postura, Meio Ambiente, Vigilância Sanitária e outros; 
  • Isto propiciou um salto no número de CNPJ ativos no município, passando de 6.500 em 2009 para 32.000 em 2010
  • Levou qualificação para a população em parceria com o SEBRAE, SENAC e SENAI, e outras Entidades de Ensino e Qualificação Profissional; 
  • O município passou a ser referência na geração de empregos do País, por meio do programa próprio de gestão de vagas de trabalho, o Sistema Municipal de Empregos (SIME), criado pela Prefeitura. Por onde são, semanalmente, ofertados de vagas de trabalho. 
  • Implantou o Programa de Modernização Administrativa, Tributária e Social (PMAT), aprovado junto ao BNDES, a prefeitura realizou Georeferenciamento dos imóveis do Município, Digitalização dos Processos, Construção da Nova Sede da Prefeitura, denominada Cidade Administrativa Maguito Vilela, reformou as unidades descentralizadas, e modernizou o mobiliário e equipamentos de informática; 
  • Fomentou o desenvolvimento no município com investimentos de R$ 820 milhões de reais, durante sua gestão, sendo 652 de recursos próprios; 
  • Construiu quatro eixos estruturantes norte/sul, para dar vazão à terceira maior movimentação humana entre as cidades brasileiras, com cerca de 80 mil pessoas que transitam diariamente entre Goiânia e Aparecida. Essa movimentação só é menor do que São Paulo/Guarulhos e Rio de Janeiro/Duque de Caxias; 
  • Transformou a gestão fiscal do município. Segundo o índice da Federação da Indústria do Rio de Janeiro (FIRJAN) – instituto que mede a excelência da gestão de pessoal, liquidez, endividamento, investimento dos 5.700 municípios brasileiros – mostrou que Aparecida saltou de 1918º lugar na gestão anterior à de Maguito passou a integrar ao grupo dos 20 primeiros municípios com melhor gestão fiscal nos três últimos anos do seu mandato; 
  • Implantação de novos polos empresariais; 
  • Novo Plano Diretor da cidade; 
  • Construção de parques e praças recreativas; 
  • Casa do Empreendedor para apoio ao micro e pequeno empresário; 
  • Implantação do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFG); 
  • Cessão da área do Campus e apoio na construção do prédio da Universidade Federal de Goiás (UFG); 
  • Implantação do Instituto Goiano de Tecnologia, em parceria com o Governo Federal; 
  • Apoio na implantação da Universidade de Rio Verde-UniRV, com curso de medicina; 
  • Implantação do sistema de vídeo-monitoramento com câmeras nas escolas, edifícios da prefeitura e principais vias na cidade; 
  • Implantação de 28 UBS e 3 UPA’s; 
  • Implantação de 43 CMEIS; 
  • Construção do Hospital Municipal de Aparecida, considerado o mais moderno do interior do País; 
  • Construiu e doou 76 casas para Quilombolas e 26 casas para os trabalhadores de Cooperativas de Tratamento do Lixo da Cidade.