Relatório final da comissão do BRT deve oferecer denúncia por irregularidades contratuais

Última reunião do colegiado será na próxima terça-feira (16/5) quando a vereadora Léia Klébia (PSC) apresentará o relatório final

Vereador Alysson Lima, presidente da CET do BRT | Foto: Fernando Leite/ Jornal Opção

A Comissão Especial Temporária (CET) da Câmara Municipal de Goiânia que fiscaliza as obras do BRT Norte-Sul encerra suas atividades na próxima terça-feira (16/5), quando a vereadora Léia Klébia (PSC) deve apresentar o relatório final do que foi apurado pelos colegiado.

Segundo o presidente da comissão, vereador Alysson Lima (PRB), as investigações apontam diversas irregularidades contratuais no projeto, o que pode culminar em denúncia por improbidade administrativas de gestores da época em que foi firmado.

“Gostaríamos de ter ouvido o ex-prefeito Paulo Garcia (PT) e o ex-coordenador do BRT, Ubirajara Abbud, mas não conseguimos contato com o ex-prefeito e Abbud afirmou que não tinha interesse em participar da comissão. Como não tínhamos poder de convocação, ficou faltando esses dois depoimentos, que seriam essenciais para esclarecermos alguns pontos”, justificou.

Porém, o presidente assegura que apenas o atraso das obras e os consequentes transtornos para a população já seriam suficientes para a oferta de denúncia.

“O relatório final é de total autonomia da vereadora Léia Klébia, mas pelo que conversamos e por tudo que foi apurado, cabe denúncia de ato de improbidade administrativa contra o ex-prefeito e o então coordenador do projeto. É o minimo que essa comissão deve fazer”, disse Alysson Lima.

Pelo contrato inicial, as obras deveriam ter sido entregues em 24 meses, prazo este que foi prorrogado por mais 24 meses. “Conseguimos que as obras fossem retomadas, mas o próprio secretário [de Infraestrutura, Fernando Cozzetti] admitiu que não deve ficar pronto até março de 2019. Agora temos a responsabilidade de continuar acompanhando o andamento e pressionar a prefeitura para a entrega dessa obra o quanto antes”, afirmou.

 

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.