Relator e sindicatos dos caminhoneiros brigam por Marco Regulatório dos Transportes

Senador Luiz Carlos do Carmo afirma que as mudanças no relatório final beneficiam a categoria e a onda de ataques estaria ligada a descontentamento das entidades representativas

Luiz Carlos do Carmo, senador | Foto: Y. Maeda / Alego

O senador Luiz do Carmo (MDB) publicou nesta sexta-feira, 8, vídeo em que afirma estar sofrendo ataques de sindicatos em razão do Marco Regulatório dos Transportes, matéria da qual é relator no Senado. Segundo o parlamentar goiano, as acusações de que teria alterado o relatório final, diminuindo direito dos caminhoneiros, seria “onda de fake news”.

A matéria já aprovada na Câmara prevê mudanças como isenção de pedágio para eixos suspensos e novas regras para suspensão de CNH. Segundo o senador, o relatório final foi acrescido de alterações que ajudam a categoria e cita reajuste do valor de multa por hora parada.

“A mudança que tanto incomoda alguns sindicatos é o fato de ter retirado um ponto muito específico, onde os caminhoneiros dependeriam do sindicato para negociar a multa por atraso no descarregamento”, afirma Luiz do Carmo.

Na sequência do vídeo o senador explica que o novo protocolo seguirá o seguinte percurso: “Assim que o caminhão chegar para descarga, anotará a hora exata de sua chegada, se a descarga não ocorrer em no máximo 5 horas, a contratante fica obrigada a pagar multa de R$1,63 por hora/tonelada parada. Ex.: 01 carreta com 33 toneladas X R$1,63 por tonelada/hora = R$48,90 por hora parada”.

Nesse caso, o parlamentar explica que se o caminhão for deixado por 24 horas de atraso para descarregar, o caminhoneiro terá direito de receber R$1.173,60 de multa e sem a intromissão do sindicato.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.