Relator contraria TCU e recomenda aprovação das contas de Dilma

Senador Acir Gurgacz (PDT-RO) apresentou nesta terça-feira (22/12) o parecer à Comissão Mista de Orçamento (CMO) favorável à prestação de 2014 do governo federal

CNT/MDA: hoje, presidente Dilma perderia eleição para o senador Aécio Neves | Foto: Valter Campanato / ABr

Se relatório for aprovado, texto segue para o plenário do Congresso, que decidirá se aprova ou não as contas de Dilma do ano de 2014 | Foto: Valter Campanato / ABr

Dois meses após o relatório do ministro Augusto Nardes, do Tribunal de Contas da União (TCU) ter sido aprovado por unanimidade com pedido de reprovação da prestação de contas apresentada pelo governo federal para o ano de 2014, o senador Acir Gurgacz (PDT-RO) pediu a aprovação do balanço da presidente Dilma Rousseff (PT) na Comissão Mista de Orçamento (CMO) nesta terça-feira (22/12).

Para o relator das contas de Dilma na CMO, condenar as “pedaladas fiscais”, como o TCU fez em outubro, seria um risco de “engessar” o governo federal da presidente Dilma Rousseff e a administração dos próximos presidentes, além dos estados.

Segundo Gurgacz, hoje são 14 estados brasileiros que não conseguiram cumprir a meta fiscal. “Os governos já têm engessamento atual de suas administrações”, declarou relator das contas de 2014 da União no Senado.

O senador justificou que seu relatório não avaliou apenas a prestação de contas que o governo federal apresentou para 2014, mas incluiu o impacto para as administrações anteriores e considerou o reflexo nos governos estaduais e na gestão dos prefeitos.

“Por isso a importância de fazermos um relatório pautado na legalidade”, defendeu Gurgacz.

A falta de equivalência dos cenários fiscais apresentados pelo governo federal nos bimestres de 2014 com o resultado real recebeu ressalvas no relatório do senador. As “pedaladas fiscais” também foram lembradas.

Mas o senador não pede qualquer punição ao governo federal. O relator exige apenas a adequação de aperfeiçoamento dos “métodos” para evitar repetição das ressalvas incluídas no parecer.

“As ressalvas decorrem da pouca aderência do cenário econômico fiscal projetado bimestralmente em 2014 com o comportamento efetivo da economia, o que fragilizou a transparência do exercício orçamentário”, explicou Gurgacz.

O senador relatou os notados “compromissos financeiros vencidos e não pagos ou pagos com atrasos” ao Fundo de Garantida do Tempo de Serviço (FGTS), Banco do Brasil (BB) e Caixa Econômica Federal (CEF).

A partir da apresentação do relatório, os senadores e deputados federais têm 15 dias para incluir emendas no parecer de Gurgacz. Com o início do recesso parlamentar nesta quarta-feira (23), o prazo vai até 13 de fevereiro.

Encerrado o tempo de inclusão de emendas e concluído o parecer, a CMO vota o texto apresentado, que segue para avaliação do plenário do Congresso Nacional, quando é feita a aprovação ou rejeição das contas.

No TCU

Quando o TCU pediu a rejeição da prestação de contas do governo federal referente ao ano de 2014, em outubro, foram apontadas irregularidade no valor de R$ 106 bilhões.

Dessas, R$ 40 bilhões nas conhecidas como “pedaladas fiscais”, consideradas pelo relator, o ministro Augusto Nardes, como manobras para aliviar temporariamente as contas, mas que desrespeita a Constituição no que diz respeito à administração pública. O ministro chegou a chamar de “desgovernança fiscal” a atitude do governo Dilma em 2014.

Para o governo federal, as “pedaladas” não ferem a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), com exemplos da mesma prática feita por governos passados.

O Executivo nega que as “pedaladas” violem a Lei de Responsabilidade Fiscal e argumenta que as práticas foram adotadas pelos governos anteriores. O pedido de impeachment aceito na Câmara dos Deputados tem como um dos argumentos a rejeição das contas de Dilma do ano de 2014 pelo TCU.

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

RH

Afinal, governos anteriores adotaram ou não as práticas agora rejeitadas pelo TCU? seria interessante saber se isto é verdade, e se for, se as quantias envolvidas são da mesma ordem de grandeza.