Reestruturação de regionais da Educação é decisão técnica, diz Marconi

Segundo governador, a extinção de todas as 40 subsecretarias visa corte de gastos e não prejudica rede de ensino

A decisão da Secretaria de  Secretaria de Educação, Cultura e Esporte de Goiás (Seduce) de extinguir todas as 40 regionais partiu de uma avaliação técnica da própria pasta, de acordo com o governador Marconi Perillo (PSDB). “Não foi uma decisão minha. Foi uma decisão técnica da secretaria, que concluiu que, com a informática e a inovação tecnológica, não há mais necessidade de ter esses órgãos presenciais”, explicou em coletiva de imprensa na manhã desta quarta-feira (25/1).

Na noite da última terça-feira (24/1), a Seduce anunciou por meio de nota que pretende realizar uma “reestruturação geral” das subsecretarias, com a extinção das 15 regionais remanescentes do corte anunciado previamente no início do ano, que acabava com 25 subsecretarias.

A mudança faz parte do estudo técnico sobre as regionais da rede pública estadual e está inserida no Programa de Austeridade pelo Crescimento do Estado de Goiás. “O que queremos é que os professores estejam em sala de aula e ainda, queremos diminuir despesas para que sobrem recursos para investirmos em educação”, disse o governador. 

A secretaria vai enviar à Assembleia Legislativa do Estado de Goiás um novo modelo de gestão regional e reiterou, por meio de nota à imprensa, que a decisão estrutural não vai prejudicar as escolas estaduais cujo ano letivo foi iniciado na segunda-feira (25/1).

Além da economia de recursos, que serão revertidos às unidades escolares, a pasta afirma que a mudança tem o intuito de otimizar estruturas e modernizar a gestão, dando mais agilidade à tomada de decisões.

Confira na íntegra o posicionamento da Seduce:

A Secretaria de Educação, Cultura e Esporte de Goiás (Seduce) informa que vai promover uma reestruturação total da subsecretarias, extinguindo as 15 regionais remanescentes. A mudança faz parte do estudo técnico sobre as regionais da rede pública estadual e está inserida no Programa de Austeridade pelo Crescimento do Estado de Goiás. A secretaria vai enviar à Assembleia Legislativa do Estado de Goiás um novo modelo de gestão regional com base em critérios rigorosamente técnicos e reitera que a decisão estrutural não vai prejudicar as escolas estaduais cujo ano letivo, iniciado na segunda-feira, 23/1, prossegue dentro da normalidade. Além da economia de recursos, que serão revertidos às unidades escolares, a mudança tem o intuito de otimizar estruturas, modernizar a gestão, dar mais agilidade à tomada de decisões assegurando a qualidade da educação na rede estadual e o direito do aluno à aprendizagem.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.