Recém-nascido com doença cardíaca rara é transferido para tratamento em São Paulo

Por meio do Ipasgo, todo atendimento ao bebê será custeado pelo Governo de Goiás e deve ficar acima de R$ 1 milhão

Foto: Reprodução.

O Governo de Goiás, por meio do Instituto de Assistência ao Servidor do Estado de Goiás (Ipasgo), encaminhou nesta terça-feira, 25, o recém-nascido Emanuel Justo, portador da Síndrome Hipoplasia do Ventrículo Esquerdo, para o Hospital Beneficência Portuguesa, em São Paulo.

A criança — que nasceu na última sexta-feira, 21, com doença que compromete a oferta de sangue para o coração — irá passar por avaliação médica na unidade hospitalar paulista e terá acesso todo o tratamento necessário para corrigir cirurgicamente a anomalia.

Emanuel e a mãe, Débora Lima, embarcaram em uma aeronave da empresa de táxi-aéreo Brasil Vida, equipada com UTI Neonatal. Todo procedimento, desde a viagem, a realização de exames até a própria cirurgia, está sendo custeado pelo Governo de Goiás.

Devido à alta complexidade, o valor do tratamento pode ultrapassar R$ 1 milhão. Para corrigir o problema, a criança deverá passar por três cirurgias. A primeira intervenção deve ocorrer a qualquer momento, tendo de ser realizada no prazo máximo de seis dias de vida do bebê. A segunda cirurgia é feita quando a criança estiver entre três e quatro meses, e a terceira, após dois anos.

Procedimento

O governador Ronaldo Caiado determinou na segunda-feira, 24, que uma equipe do Ipasgo entrasse em contato com a família para informar cada passo do trâmite necessário para levar a criança até outro Estado e realizar o procedimento. Antes de embarcar, o recém-nascido passou por exames que comprovaram que ele estava apto para a viagem.

Mãe e filho saíram do Hospital Materno Infantil, no início da noite desta terça-feira, em uma ambulância terrestre e embarcaram juntos no Aeroporto Internacional Santa Genoveva. Em São Paulo, o bebê será recebido por profissionais do Hospital Beneficência Portuguesa, onde fará mais exames. A cirurgia será realizada pela equipe dos médicos João Pedro da Silva e Rodrigo Freira, como determinado pela decisão judicial expedida pela juíza Ana Paula de Lima Castro, e a data depende do hospital paulista.

O presidente do Ipasgo, Hélio José Lopes, reafirmou que o instituto realizou todos os esforços para viabilizar o tratamento do pequeno Emanuel. “Assim que recebemos a demanda, começamos a entrar contato com as unidades de saúde especializadas nesse tipo de procedimento. Como a criança nasceu prematura, precisamos somar esforços para fazer tudo o quanto antes. Agora ele está seguro, só aguardando para realizar a primeira cirurgia”, explicou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.