Realista, publicidade do governo de Goiás sobre a Covid é conversa de adultos para adultos

A publicidade sugere que a Covid é uma doença grave. Se está dizendo: não se brinca com um vírus tão letal

“A publicidade é a alma do negócio.” A frase se tornou consensual em todo o mundo. Pois não se firma uma marca sem uma publicidade qualitativa. Há quem acredite que a Coca-Cola, de tão enraizada no imaginário popular, não precisaria mais divulgar o produto. Mas continua vulgarizando-o em todo o mundo. O que se quer é que a marca permaneça no imaginário coletivo como um produto coletivo, que todos apreciam — uma espécie de ícone que supera a corrosão do tempo. Mas como lidar com seres humanos na publicidade?

O criador publicitário sabe que lidar com seres humanos é diferente, sobretudo quanto se trata de temas que envolvam dramas e tragédias que são, a um só tempo, coletivos e pessoais. Campanhas de esclarecimento do público às vezes apelam pela criatividade e para a sutileza, em especial em tempos mais leves. Mas, com a Covid-19 batendo à porta de todos — com mais de 265 mil brasileiros mortos —, a leveza costuma não apresentar resultados satisfatórios. Uma espécie de “terapia de choque” talvez seja um “remédio” mais eficaz.

No domingo, 7, o “Fantástico”, da TV Globo, mencionou a publicidade do governo de Goiás sobre a tragédia da Covid. A publicidade em questão mostra o sofrimento de uma vítima da Covid (trata-se de sua última mensagem — o paciente morreu). A dor, o lamento, a tristeza. Enfim, a possibilidade de a vida ceder seu “lugar” à morte.

Há quem avalie que se trata de uma publicidade dura. Não é. Dura mesmo é a Covid, que leva à internação de milhares e, sublinhemos, já provocou a morte de mais de 265 mil pessoas. Então, a palavra precisa — o mote justo de que falava o escritor francês Flaubert — é realista. A propaganda do governo de Goiás é realista, absolutamente realista. Não dá para ser diferente. Uma publicidade light mostraria indiferença do governo em relação à dor coletiva — que precisa ser realçada.

A propaganda do governo de Goiás sugere duas coisas. Primeiro, que é preciso ter empatia com os que estão doentes e com as famílias dos que morreram. Segundo, indica que é fundamental se cuidar, porque a doença é muito séria — letal. Não dá para brincar. A publicidade é uma “conversa” de adultos para adultos — séria e realista. Se está dizendo: com a Covid não se brinca. Quer ficar vivo? Proteja-se.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.