Reabertura do DF pode prejudicar isolamento de municípios do entorno

Governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB) diz que pretende encarar Covid-19 como gripe. Consequências da pandemia podem afetar diretamente cidades do entorno

Governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB) | Foto: Reprodução

O governador do Distrito Federal (DF) Ibaneis Rocha (MDB) afirmou ao Jornal Estado de S. Paulo que pretende reabrir todas as atividades, incluindo restaurante, bares e escolas até o início de agosto. “Vai ser tratada como uma gripe”, declarou o gestor sobre o novo coronavírus. A entrevista foi publicada na última segunda, 29, mesmo dia em que foi decretado estado de calamidade pública na unidade da federação.

A questão, para Goiás, é que a maneira como Ibaneis decidir lidar com a pandemia no DF irá afetar diretamente na segurança sanitária da população que mora no entorno. Para Flúvia Amorim, superintendente de Vigilância em Saúde da Secretaria Estadual de Saúde (SES-GO), as consequências são reais.

“Eu não tenho o percentual de pessoas do entorno que trabalham no DF, mas é um número alto. Com certeza trará algum impacto, sim”, avaliou. “Considerando que as pessoas que trabalham no DF passam grande parte do dia lá, com o aumento entre o contato das pessoas lá e o aumento da contaminação, essas pessoas podem estar trazendo o vírus para seus municípios, mesmo que seu município mantenha o seu comércio fechado e sua taxa de isolamento um pouco maiores”, disse.

Importante lembrar que grande parte dos estados brasileiros já acenderam o alerta para a falta de leitos e medicamentos. Em Goiás, a ocupação dos leitos, de acordo com o secretário estadual de Saúde, Ismael Alexandrino, já é de 86,6%. Como se não bastasse, em recente nota divulgada pela pasta, o Estado já afirmou que está desabastecido de kit internação, com medicamentos essenciais para pessoas em estado grave, não apenas de Covid-19, mas de outras doenças.


“Hoje temos dois hospitais de campanha no entorno, o de Águas Lindas e o de Luziânia, mas é limitado. Chega um momento em que os leitos não são suficientes. Nossa grande preocupação, com todas as medidas para aumentar o isolamento é justamente para evitar que pessoas que precisem de leitos fiquem sem”, disse Flúvia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.