Construção de resort Quinta Santa Bárbara será retomada em Pirenópolis

Justiça entendeu que não havia infrações ambientais e que o empreendimento é importante para a cidade durante crise no turismo 

Centro Histórico de Pirenópolis | Foto: Lúcia Costa/arquivo pessoal

O Tribunal de Justiça de Goiás homologou nesta sexta-feira, 07, acordo entre o Ministério Público-GO e o resort Quinta Santa Bárbara. Após ter sido suspensa por medida cautelar nascida em ação popular contra o grupo, avaliação técnica realizada em segredo de justiça concluiu que a construção do empreendimento não feria leis ambientais que se alegava. As obras serão retomadas imediatamente. 

A medida cautelar que embargou a construção do resort alegava que as obras haviam destruído nascentes. Entretanto, a Justiça concluiu que as metas ambientais estavam sendo cumpridas. Em acordo com o Ministério Público-GO, o grupo responsável pelo Eco Resort Quinta Santa Bárbara se comprometeu a adequar alguns aspectos da obra.

Pelo acordo, o Quinta Santa Bárbara assume compromisso de aumentar a faixa de proteção permanente do seu terreno e, como compensação ambiental, fará recomposição de fundo de vale vizinho que influencia o Córrego Pratinha. O grupo empreendedor também realizou obra de infraestrutura para a captação de enxurradas provenientes do Bairro do Bonfim.

Segundo os sócios do Eco Resort, o grupo empreendedor do QSB teve a oportunidade de levar o investimento para outra região, mas não o fizeram. “Não fizemos isso porque acreditamos no potencial turístico da cidade e porque somos movidos pelo entusiasmo e empatia com Pirenópolis. Com isso o desafio ultrapassou as razões meramente empresariais, fazendo com que os investimentos e esforços necessários continuassem no município. O conceito de sustentabilidade do Eco Resort Quinta Santa Bárbara ultrapassa a questão ambiental e avança para o compromisso social e econômico”.

O Quinta Santa Bárbara terá um total de 192 apartamentos, desses 64 são de 2 quartos e 130 de 1 quarto. O empreendimento tem duas etapas, cada uma com 96 apartamentos, construídos numa área de 60 mil metros quadrados e ocupação inferior a 10% do terreno com edificações, mantendo preservados mais de 35.000 m² de faixa de preservação ambiental e área verde, localizado dentro da malha urbana do Centro Histórico da cidade.

Pirenópolis em crise

De acordo com o grupo empreendedor, a decisão influencia diretamente a economia do município de Pirenópolis, pois permitirá a manutenção de dezenas de postos de trabalho e poderá  gerar outros 150 empregos, entre diretos e indiretos, sem contar com o aumento da arrecadação de impostos e geração de renda.

Durante a pandemia, que feriu em especial o setor do turismo, o Grupo se mobilizou para ajudar a cidade e distribuiu mais de mil cestas básicas à população mais carente e afetada pelo COVID-19. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.