Quatro trabalhadores são resgatados em condições análogas às de escravidão

Eles atuavam na construção de um loteamento irregular no Parque Nacional da Chapada dos Guimarães

Trabalhadores resgatados pela Superintendência Regional do Trabalho vivam em condições precárias | Foto: Assessoria de Imprensa do Ministério do Trabalho

Trabalhadores resgatados pela Superintendência Regional do Trabalho vivam em condições precárias | Foto: Assessoria de Imprensa do Ministério do Trabalho

A Superintendência Regional do Trabalho de Mato Grosso resgatou quatro trabalhadores mantidos em condição análoga à escravidão de um loteamento ilegal que estava sendo construído no Parque Nacional da Chapada dos Guimarães. Eles foram localizados no último dia 07, quando fiscais da Superintendência e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) que faziam uma operação para coibir invasões no parque.

Os trabalhadores atuavam na construção de uma casa, cercas e estradas de acesso ao que seria o loteamento. Eles não possuíam qualquer tipo de registro trabalhista ou equipamentos de proteção individual.

As condições em que viviam eram precárias: alojados em barracos de lona, dormiam em redes ou sobre papelões num local sem água tratada, instalações sanitárias ou espaço para alimentação.

Os auditores fiscais do Ministério do Trabalho efetuaram diligências nas cidades de Chapada dos Guimarães e Cuiabá para notificar os responsáveis. Além das multas, eles serão obrigados a pagar os direitos legais aos trabalhadores encontrados naquelas condições.

Os materiais encontrados no local foram apreendidos e a casa acabou demolida. O ICMBio autuou, ainda, dois invasores por desmatamento de área nativa, construção irregular e dano à área de preservação permanente. Eles responderão a processo administrativo ambiental e terão o caso encaminhado ao Ministério Público Federal para análise de abertura de processo criminal. (Com informações da Assessoria de Imprensa do Ministério do Trabalho)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.