PTN realiza pré-convenção e discute as eleições de outubro

Entre Vanderlan Cardoso (PSB) e Antônio Gomide (PT), PTN estuda em qual coligação entrará para o pleito deste ano.

gedda_capa

Na pré convenção do Partido Trabalhista Nacional (PTN), que ocorreu na tarde desta terça-feira (24/6) as discussões giraram em torno das possíveis coligações e as pré-candidaturas da legenda. A sigla pretende lançar esse ano 22 candidatos e ainda não definiu qual candidato ao executivo estadual apoiará. Mas, o presidente estadual do PTN, Francisco Gedda, já deixou claro que Iris Rezende (PMDB) e o tucano Marconi Perillo (PSDB), não são uma opção.

“Um dos principais objetivos do PTN nesse processo eleitoral é colaborar com a alternância do poder, pois é necessário que este ano seja eleito um Governador que queira o melhor para Goiás, assim como o PTN”, disse Gedda.

A legenda só decidirá em qual coligação se inserirá na convenção estadual do partido, marcada para o dia 30 de Junho. Inicialmente o PTN estava fechado com Júnior Friboi (PMDB). No entanto, com a renúncia do empresário, o PTN se aliaria com Vanderlan Cardoso (PSB), por intervenção de Friboi, assumindo na chapa a posição de candidato a vice-governador do Estado. As negociações acabaram não se realizando pois Vanderlan teria vetado a candidatura de Gedda como seu vice, por haver uma gravação comprometedora contra o presidente do PTN e uma história de uma fazenda que não foi devidamente explicada.

Dessa forma ficou suspensa a decisão do partido até a convenção, que pode oficializar o apoio a Vanderlan ou apoiar o ex-prefeito de Anápolis, Antônio Gomide (PT). Caso o PTN decida pela coligação com o PT, o partido será o primeiro a apoiar a chapa com a candidatura de Gomide. Além do PTN, o PCdoB também ainda não definiu qual candidato apoiará, podendo vir somar esforços com o petista.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.