PSOL Goiás declara apoio a Fernando Haddad no segundo turno

Weslei Garcia diz que decisão vai além de apoiar o Partido dos Trabalhadores

Foto: Facebook

Em reunião da Direção Executiva Estadual, no domingo (21/10), o Partido Socialismo e Liberdade de Goiás (PSOL/GO) decidiu por apoiar Fernando Haddad (PT) na disputa pela presidência da República no segundo turno.

Weslei Garcia (PSOL), que foi candidato ao governo de Goiás neste ano, conta que foi uma decisão suprapartidária. Apesar de ter críticas ao PT, Garcia diz que, neste momento, apoiar Haddad não é apoiar o partido: “representa a manutenção do estado democrático de direito”.

Em nota, a executiva do PSOL diz que, além disso, “a condução do voto no PT nesse momento representa (…) o respeito aos direitos humanos no país”. No documento divulgado, o partido diz que a candidatura de Jair Bolsonaro (PSL), que consideram de extrema-direita, representa o fascismo.

“Estamos correndo o sério risco do fascismo vencer as eleições com um general que defende fim do décimo terceiro e acabar com movimentos sociais e sindicais, por isso, se torna fundamental a eleição em Fernando Haddad”, justifica o partido em nota.

Garcia cita ainda a fala recente de Eduardo Bolsonaro (PSL), filho do presidenciável, que ameaçava fechar o Superior Tribunal Federal (STF). “Isso nos causa temor”, reitera Garcia.

Na nota, o partido orienta seus filiados a votarem no candidato do PT. Garcia diz que o apoio vai além da crítica que têm ao Partido dos Trabalhadores, e que, agora, o PSOL Goiás atua, inclusive, pedindo votos para Haddad. “Não tem como fazer campanha pelo nulo”, afirma.

Confira nota do partido na íntegra:

PSOL/GO DECLARA APOIO À HADDAD

O Partido Socialismo e Liberdade de Goiás, PSOL/GO, em reunião da Direção Executiva estadual que ocorreu no último dia 21 de outubro no município de Goiânia, deliberou apoio à candidatura de Fernando Haddad do PT à presidência da República para o segundo turno do dia 28 próximo.
Compreendemos que o momento em que vivemos é extremamente adverso a toda classe trabalhadora. A partir do golpe de 2016 tivemos um pacote de medidas impopulares que onerou sobremaneira o povo, como as reformas trabalhistas, do ensino médio e o congelamento de investimentos de recursos em educação, saúde e segurança pública, culminando agora com a ascensão de uma candidatura de extrema direita que representa o fascismo com posições racistas, machistas, homofobicas na figura de Jair Bolsonaro, defensor de ditadura militar e tortura, e um tremendo e assustador retrocesso político no campo democrático e de direitos humanos no país.
Estamos correndo o sério risco do fascismo vencer as eleições com um general que defende fim do décimo terceiro e acabar com movimentos sociais e sindicais, por isso, se torna fundamental a eleição em Fernando Haddad. A condução do voto no PT nesse momento representa a manutenção do estado democrático de direito e também do respeito aos direitos humanos no país.
Nesse sentido, orientamos toda a militância do partido ao voto no 13 para o segundo turno e estarmos preparados para organização do PSOL enquanto instrumento de toda classe trabalhadora.

Goiânia, 21 de outubro de 2018

PSOL/GO

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.