PSDB deve ser oposição a Bolsonaro, afirma Doria

Governador de São Paulo ainda fala sobre a possibilidade de união da 3ª via e que deve procurar Sérgio Moro e Simone Tebet

Após vencer as prévias presidenciais do PSDB, João Doria afirma que partido precisa se “desbolsonarizar”, de modo a se tornar oposição ao atual presidente da República, Jair Bolsonaro. Isso, porque apesar de a direção do partido ter decidido, em setembro, ser oposição, parte da bancada do Congresso Nacional ainda vota com o governo federal.

Informação foi revelada em entrevista exclusiva ao portal Poder 360. Ao veículo, ele afirma que a ação não se trata de uma “caça à bruxas”, mas da instituição do diálogo e da reorientação do grupo. “Ninguém é condenado por ter cometido um erro e depois buscar acertar. Isso é prova de grandeza e consciência“, opinou.

“Respeitaremos as posições que eventualmente foram desconectadas do partido, mas o PSDB deve ser oposição ao governo Bolsonaro, não um partido auxiliar. Nada como prévias para fortalecer o entendimento e reforçar o diálogo com aqueles parlamentares que circunstancialmente votaram em pautas bolsonaristas, mas que podem mudar. Entendimento e diálogo permitem que posições sejam alteradas e revistas. Isso é normal. Ninguém é condenado por ter cometido um erro e depois buscar acertar. Isso é prova de grandeza e consciência”, completou João Dória.

Doria ainda não descartou a possibilidade de uma candidatura única para a 3ª via, ainda que afirme que este não será um processo rápido, mas que “será feito ao longo do tempo e fruto de diálogo”. Assim, revelou que irá procurar demais pré-candidatos da 3ª dia para o estabelecimento de um diálogo. Entre eles, mencionou Sérgio Moro e a senadora Simone Tebet (MDB-MS). Ele ainda elogiou a “competência e seriedade” da senadora e afirmou a possibilidade de tê-la como vice.

“Esse é um ponto de análise para um nome fortalecido na 3ª via que nos torne a melhor via para o Brasil. Não é a via do PSDB ou do João Doria. Estou confiante que podemos caminhar e o tempo dirá se é ou não possível. Eu desejo que seja”, pontua o governador de São Paulo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.