Protesto acaba em vandalismo e queima de pneus na Av. 85

Manifestantes da CUT, MST e MTST protestam em frente à sede da Acieg, local que recebe audiência pública sobre a privatização da Celg na manhã desta quarta-feira (3/2)

600 pessoas protestam em frente à sede da Acieg, no setor Oeste | Foto: Assessoria/PM

600 pessoas protestam em frente à sede da Acieg, no setor Oeste | Foto: Assessoria/PM

Manifestantes da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) invadiram na manhã desta quarta-feira (3/2) a sede da Associação Comercial, Industrial e de Serviços do Estado de Goiás (Acieg). O local é sede de uma audiência pública, que é realizada desde as 9 horas desta quarta-feira (3/2), sobre a privatização da Celg.

Antes disso, os manifestantes já haviam queimado pneus e quebrado a fachada de vidro de um escritório de advocacia na Avenida 85. Segundo a Assessoria da Polícia Miltar, um membro do MST lançou uma pedra contra um escritório de advocacia em uma rua adjacente, quebrando a vidraça da fachada.

Desde o início da manhã, parte da Avenida 85 está bloqueada e agentes da Polícia Militar e Secretaria Municipal de Trânsito Transporte e Mobilidade (SMT) realizam o desvio dos veículos.

Por meio de nota a CUT explicou que a avenida foi bloqueada depois que representantes dos movimentos sindicais e sociais foram impedidos de entrar no auditório da Acieg, inclusive o presidente da CUT, Mauro Rubem. Segundo o Tenente Coronel da Polícia Militar, Ricardo Mendes, a PM controlou a entrada das pessoas, mas com o único critério de respeitar a capacidade de lotação do auditório.

Fachada do escritório de advocacia depois de ato de vandalismo de um dos integrantes do MST. | Foto: Assessoria PMGO

Fachada do escritório de advocacia depois de ato de vandalismo de um dos integrantes do MST. | Foto: Assessoria PMGO

Ainda segundo a PM, além dos cerca de 600 manifestantes que protestam na porta da Acieg, outras 150 pessoas, entre contrários e favoráveis à privatização, acompanham a audiência pública dentro do auditório.

O debate, marcado pelo Ministério de Minas e Energia, seria para explanar o processo de privatização da Celg, com a presença de representantes do órgão, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDES) e representantes de entidades contrárias e a favor da privatização. Estão presentes também o senador Ronaldo Caiado (DEM) e o deputado estadual Júlio da Retífica (PSDB).

No início da manhã, o Jornal Opção entrevistou por telefone um das únicas funcionárias da Acieg que conseguiu entrar no prédio.

Ela afirmou em entrevista que só entrou porque normalmente chega mais cedo que os outros funcionários. “Cheguei por volta das 6 horas da manhã e eles [manifestantes] já estavam aqui na porta. Consegui entrar, mas liguei para os outros colegas para que não viessem agora de manhã, pois está uma confusão. Na parte administrativa estamos apenas eu e duas funcionárias da limpeza”, relatou.

Em nota, a assessoria da Acieg afirma que a associação não participa da audiência, e apenas locou o auditório para sediar o evento. “A Acieg não participa da organização nem tem representantes no encontro, pois nesta etapa do debate ainda não foram envolvidas as entidades de classe”, escreveu o presidente da entidade, Euclídes Barbo Siqueira.

Ainda de acordo com o empresário, a Acieg respeita o protesto enquanto direito democrático. “Lamentamos pelo transtorno, mas estamos, como prestadores de serviço neste contrato de locação, atentos a qualquer risco ou dano, mas mantendo nossa postura também de respeito à democracia. Se, em qualquer momento, nos sentirmos constrangidos ou ameaçados, vamos recorrer às autoridades responsáveis e contaremos com o apoio de todos”.

 

avenida-85-cut-mst-privatização-celg-foto-assessoria-pm

Foto: Assessoria PMGO

Segundo divulgação do Ministério de Minas e Energia, a audiência pública sobre o processo de privatização da Celg estava marcada desde o dia 20 de janeiro. De acordo com a publicação no Diário Oficial da União, participariam representantes da Celg, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDES) e demais entidades que contestam ou participam do processo de privatização.

 

Uma resposta para “Protesto acaba em vandalismo e queima de pneus na Av. 85”

  1. Avatar Epaminondas disse:

    Até então eu não sabia se queria a CELG privatizada ou não. Mas agora que sei que os baderneiros do “exército do Lula” é contra, então sou 100% a favor.

    Minto, claro que sempre quis que a CELG, um cabidaço ineficiente de monopólio de energia elétrica, fosse privatizada. Melhor ainda, além de privatizada, o mercado fosse desregulado para que a concorrência pudesse privilegiar os usuários.

    Enquanto isto, gente fazendo piquete e incomodando a vida de quem já sofre com a subdimensionada malha viária de Goiânia, fecha rua pra que o cabidaço não seja exterminado.

    Quero mais que os funcionários da CELG amarguem no mercado privado. É aonde a maioria da população passa a vida, e vejam só, sobrevivem. Até constrói empreendimentos assim. Mas o pessoal do “privatizou, escureceu, encareceu”, acha que trabalhar na área privada alguma espécie de inferno.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.