Proposta conciliatória de distribuição de cargos do Governo desagrada deputados

Segundo Lucas Calil, nomeações já acontecem. “Todo dia um pai de deputado, mãe ou irmão, ganha um cargo comissionado”

Proposta conciliatória de distribuição de cargos do Governo desagrada deputados
Bruno Peixoto insiste que base está consolidada | Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

Em café da manhã com o governador Ronaldo Caiado (DEM), na semana passada, o Governo discutiu com os deputados da base a distribuição de cargos. Na ocasião, teria sido proposto pelo democrata a destinação de 1/3 dos cargos para o deputado estadual mais votado de cada cidade ou região, 1/3 para o federal mais votado e 1/3 para as lideranças.

A proposta, no entanto, não agradou aos deputados, que já falam que a base não está 100% consolidada. O deputado Dr. Antônio (DEM) chegou a afirmar que, para garantir a aprovação de matérias polêmicas, como a Reforma Administrativa, o Governo terá que dar mais espaço para indicações de deputados.

Base

O líder do Governo na Casa, Bruno Peixoto (MDB), discorda. Para ele, a base está consolidada. O emedebista ainda explicitou que no café da manhã, além dos cargos, foi falado sobre debates, audiências e encaminhamento de emendas.

Ele ainda ironizou questionamentos sobre a possível liquidez do grupo da situação. “O governo perdeu alguma votação na Assembleia?”, questionou. Segundo ele, atualmente, são 28 deputados na base e, desses, 23 estiveram na reunião.

Para o deputado Lucas Calil (PSD), de certa forma, já tem havido distribuição de cargos para parlamentares. “Todo dia um pai de deputado, mãe ou irmão, ganha um cargo comissionado”, diz sem citar nomes. “O tamanho da sede dos deputados não sei medir, mas torço pela governabilidade”, arrematou.

Ele diz que não é contra essas nomeações, mas defende que é necessário que o governador vá a público pedir desculpas e admita que política se faz com políticos. “Com pessoas de confiança, que muitas são vezes são parentes. Ele sempre condenou indicação política, familiocracia… Mas eu sempre soube que seria o calcanhar de Aquiles dele”, finaliza.

Reforma administrativa

Calil, que tem tecido críticas ao governador em relação a nomeações, afirma que, apesar disso, votaria a favor da reforma administrativa, caso não contrarie sua consciência. “Tenho trabalhado de forma independente, tanto que votei a favor da maioria dos projetos do governo”.

Sobre isso, Peixoto disse que o governador ainda não passou informações sobre o conteúdo aos parlamentares. “Mas ela chega assim que o governo concluir a análise por completo”, disse.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.