Propina em esquema de frigoríficos beneficiava partidos políticos, diz PF

PMDB e PP foram citados, mas outros partidos podem estar envolvidos. Ministro do governo Temer e deputado pelo PMDB, Serraglio foi pego em grampo

Entrevista coletiva na superintendência da PF em Curitiba | Foto: reprodução / Youtube

Em coletiva de imprensa na manhã desta sexta-feira (17/3), o delegado federal e superintendente regional da Polícia Federal em Curitiba, Maurício Moscardi Grillo, responsável pela Operação Carne Fraca, afirmou que parte do dinheiro arrecadado pelo esquema de corrupção envolvendo fiscais federais e frigoríficos abastecia partidos políticos, citando o PMDB e o PP.

“Dentro da investigação ficava bem claro que uma parte do dinheiro da propina era, sim, revertido para o partido político. Caracteristicamente, já foi falado ao longo da investigação dois partidos que ficavam claro: o PP e o PMDB”, disse o delegado. Ainda não há estimativa do valor repassado e outras siglas podem estar envolvidas nos esquemas.

O atual ministro da Justiça, Osmar Serraglio (PMDB-PR) foi pego em grampo da investigação em conversa telefônica com um fiscal agropecuário apontado como o chefe do esquema, Daniel Gonçalves Filho, superintendente do Ministério da Agricultura no Paraná entre os anos de 2007 e 2016. Serraglio assumiu o ministério no início deste mês de março e não é alvo da operação deflagrada nesta sexta.

A operação Carne Fraca investiga o envolvimento de fiscais do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa) em um esquema de liberação de licenças e fiscalização irregular de frigoríficos. Alguns dos principais grupos do setor do país estão na mira da operação, como o BRF (que detém as marcas Sadia e Perdigão) e o JBS (Seara, Swift, Friboi e Vigor).

Entre os crimes identificados na operação, estão re-embalagem de produtos vencidos; excesso de água; inobservância da temperatura adequada das câmaras frigoríficas; assinaturas de certificados para exportação fora da sede da empresa e do Mapa, sem checagem in loco; venda de carne imprópria para o consumo humano; uso de produtos cancerígenos em doses altas para ocultar as características que impediriam o consumo pelo consumidor. Segundo a PF, todas as 40 empresas investigadas tinham alguma irregularidade.

A Justiça Federal do Paraná determinou também o bloqueio de R$ 1 bilhão das investigados. Segundo a PF, a Carne Fraca é, em números, a maior operação já realizada pela corporação no país. Cerca de 1.100 policiais federais cumprem 309 mandados judiciais em sete estados – 27 de prisão preventiva, 11 de prisão temporária, 77 de condução coercitiva e 194 de busca e apreensão nas casas e escritórios dos investigados e em empresas que fariam parte do esquema.

Foram identificados nas investigações três grupos criminosos de servidores da superintendência do Mapa no Paraná. O grupo apresentava modus operandi semelhante ao esquema identificado em Goiás, cujo líder era o chefe do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Dipoa) no Estado, Dinis Lourenço da Silva.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.