Matéria foi aprovada com dois votos contrários; parlamentares alegam que foi aprovada apenas a constitucionalidade da proposta e que debate do mérito continua

Humberto Aidar, autor da proposta | Foto: Fábio Costa/Jornal Opção

A Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJ) aprovou nesta terça-feira, 15, o projeto de autoria do deputado Humberto Aidar (MDB) que revoga o artigo da lei que garantiu incentivos ficais às indústrias que produzem álcool anidro.

Os deputados Jeferson Rodrigues (Republicanos), Hélio de Sousa (PSDB), Amilton Filho (SD) e Lêda Borges (PSDB) criticaram a proposta e manifestaram preocupação com os impactos que a mudança pode causar.

[relacionadas artigos=”213772″]

“São 18 cidades que dependem dessas indústrias e que estão preocupadas com a possibilidade do desemprego. O projeto pode impactar ainda no aumento do valor da gasolina. Não estou dizendo que isso vai acontecer, mas é uma possibilidade e nós temos que estudar isso com calma”, disse Jeferson.

Hélio de Sousa lembrou que é da região do Vale do São Patrício que tem sua economia dependente da produção de álcool. “Se os incentivos forem retirados, essas indústrias vão passar a produzir outra coisa, porque elas têm essa opção. E aí, qual vai ser o impacto disso? O combustível pode aumentar”.

[relacionadas artigos=” 213537 “]

Amilton Filho defendeu que seja discutida uma redução dos incentivos e o combate aos excessos. “Nós não podemos do dia para a noite simplesmente acabar de uma vez. Isso não é justo com os empresários”.

Líder do Governo, o deputado Bruno Peixoto (MDB) que apresentou voto em separado pela aprovação da matéria diz que o parecer foi apenas pela constitucionalidade da proposta e que o debate do mérito está apenas começando. “Aqui não foi analisado se vai haver impacto na geração de empregos ou não. Esse debate está apenas começando e nós estamos abertos, pode haver, inclusive, um substitutivo em plenário”, esclareceu.

O deputado Talles Barreto (PSDB) anunciou que deve apresentar emenda à matéria durante a primeira votação.