Projeto “Mães Unidas” do Ministério da Família será implantado em Goiás

Pioneiro no Brasil, projeto ocorrerá em três cidades goianas com foco no bem-estar de grávidas e no desenvolvimento saudável do bebê

Foto: Reprodução

A presidente do Grupo Técnico Social de Goiás, primeira-dama Gracinha Caiado, e a diretora-geral da OVG, Adryanna Caiado, estiveram com a ministra Damares Alves nesta quinta-feira, 12, em Brasília, para a assinatura do acordo de cooperação para implementação do programa nacional “Mães Unidas”, promovido pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), em Goiás.

O projeto, que será implantado de forma pioneira em Goiânia, Anápolis e Aparecida de Goiânia, tem como objetivo promover a saúde e o bem-estar relacional de mães e filhos durante a gestação e os dois primeiros anos de vida da criança. Além disso, irá instruir e oferecer a essas mulheres acesso a serviços jurídicos, de saúde e de assistência social.

“Agradeço a primeira-dama [Gracinha Caiado] e o Governo de Goiás por terem aceitado o desafio de executar o projeto-piloto. O Estado tem sido parceiro do governo federal em tantas ações e, hoje, damos mais um passo para proteger a família brasileira. Nosso objetivo é reforçar a grande rede de proteção de nossas mulheres e crianças”, ressaltou Damares Alves.

O “Mães Unidas” funcionará a partir da capacitação de mães voluntárias, que irão dar apoio e acompanhamento a mulheres grávidas em situação de vulnerabilidade. Em Goiás, a OVG será parceira no processo de seleção e capacitação das voluntárias.

“Nós sabemos que quando uma mãe orienta outra, a relação é muito mais eficaz e produtiva. Percebemos isso no nosso ‘Meninas de Luz’. A maternidade nos dá um lugar de fala, uma conexão muito forte, muito maior que a de um agente terceiro, por exemplo”, defende a diretora-geral da OVG.

O Programa

A primeira turma do “Mães Unidas” terá início em abril e serão disponibilizadas 13 vagas para mães voluntárias da OVG. Cada voluntária acompanha até quatro mulheres que estejam na primeira gestação, dando toda a orientação sobre os direitos, benefícios e serviços.

As voluntárias serão como tutoras para essas gestantes, que também vão receber uma caixa doada pela Unimed semelhante a um berço, com o objetivo de evitar morte súbita e esmagamento dos bebês. Elas serão acompanhadas até que suas crianças completem 2 anos.

Os cursos do projeto piloto serão ministrados pelo Instituto Federal de Goiás (IFG) com aulas presenciais e a distância. O conteúdo básico contempla a preparação para o voluntariado, formação e fortalecimento de vínculos familiares, noções de direitos humanos, cidadania e de saúde e bem-estar materno e do bebê, além de assistência jurídica e social.

Após a formação, a voluntária estará apta a oferecer informações básicas sobre direitos, serviços públicos disponíveis e apoio relacional no sentido do acolhimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.