Projeto “Goianas na Urna” quer reduzir desigualdade de representatividade na política

Formação trabalha para combater as candidaturas laranja e alcançar resultados nas próximas eleições municipais para o Legislativo

Com o mote “Mulheres na política: o direito de sermos representadas!”, o projeto suprapartidário Goianas na Urna busca aumentar a representatividade feminina na política. Para isso, as idealizadoras lançaram uma campanha de financiamento coletivo.

A primeira escola de formação política voltada para mulheres em Goiás tem como principal objetivo formar referências políticas para o cargo de vereadora já nas eleições de 2020. Para isso, em sua segunda edição, contou com 51 inscrições, realizou 34 entrevistas e selecionou 18 mulheres para a formação.

Uma das participantes é a pré-candidata Kelly Egito, que falou ao Jornal Opção sobre a formação. “Fiz a inscrição pelo site e fui selecionada para a entrevista. Contamos com uma formação, por meio de uma plataforma online, e com uma assessoria completa”, detalha.

A participante explica que todas as mulheres atendidas pela iniciativa são pré-candidatas. “Foi pré-requisito que todas as participantes estivessem filiadas em alguma sigla, até porque não daria tempo de filiar e participar do pleito, que é o objetivo do projeto”, afirma Kelly.

Goianas na Urna (GnU)

Desde 2019, o projeto já selecionou e apoia a pré-candidatura de 25 mulheres, de 11 cidades, filiadas a 14 partidos distintos, cujo eixo em comum é o desejo de aumentar a representatividade feminina na política.

O GnU é um projeto suprapartidário, sem filiação a nenhum partido político, sem fins lucrativos, que tem como objetivo aumentar o debate em torno da representatividade da mulher na política. A iniciativa oferece espaços de formação para construção de conhecimentos e compartilhamento de experiências.

Nós mulheres representamos 52% do eleitorado goiano, porém apenas 4% nos representam na Assembleia

Emília Marinho, idealizadora do projeto, ressalta que “apesar do projeto estar apenas no início, a ideia é combater as candidaturas laranja no estado e reduzir a desigualdade de representatividade nas urnas. Tanto da perspectiva das pré-candidatas, quanto das eleitoras. Nós mulheres representamos 52% do eleitorado goiano, porém apenas 4% nos representam na Assembleia Legislativa do Estado de Goiás”.

O programa da formação é composto por quatro grandes módulos, a saber: desenvolvimento pessoal, habilidades técnicas, conhecimentos sobre política e estratégias de campanha. E, cada um desses módulos abordará aspectos teóricos e práticos em um processo de imersão em pautas como equidade de gênero, desenvolvimento de lideranças e engajamento político.

Recentemente, o GnU lançou o Programa de Embaixadoras para jovens que desejam compor a equipe de campanha de forma voluntária em apoio às pré-candidatas à vereança no estado de Goiás. O programa foi lançado a partir da identificação da necessidade de que essas candidaturas sejam ainda mais fortes.

Podem se inscrever qualquer pessoa que tenha interesse em apoiar mulheres nos espaços de poder. O projeto irá priorizar a seleção de jovens que já se engajaram em movimentos similares de formação política. Acesse o site e conheça mais sobre o projeto no Instagram: @goianasnaurna

Juliana Leal, que é vice-presidente do Goianas na Urna destaca que “Em Goiás, nós mulheres, representamos apenas 14% dos cargos na Câmara Municipal. O Goianas na Urna surgiu para ajudar a reverter o quadro de sub representatividade feminina em Goiás e não vamos parar até que elas estejam no poder”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.