O valor das compensações ainda não foi definido, mas a iniciativa visa reduzir o risco de apagões

O Ministério de Minas e Energia (MME) definiu regras para o início de um programa voluntário de deslocamento do consumo de energia, diante da crise energética. A iniciativa visa reduzir o risco de apagões.

O programa, voltado para a grandes consumidores, prevê o pagamento de compensação financeira a empresas que se disponham a reduzir o consumo por períodos de quatro e sete horas por dia. O valor das compensações ainda não foi definido. 

A presidente-executiva da Associação Brasileira do Alumínio (Abal), Janaina Donas, avaliou os impactos para o setor. “Problemas no abastecimento de energia podem implicar em um processo de desaceleração de setores estratégicos para a economia, justamente em um momento que estamos em retomada da atividade econômica.”

Para a associação, a iniciativa deve ser acompanhada de uma regulação setorial que leve em conta os incentivos econômicos que garantam equilíbrio e competitividade. 
 
Além da indústria, o presidente da Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (ABRADEE), Marcos Madureira, defendeu que os programas sejam fortemente promovidos para a população em geral. “Ele deixa de pagar por uma energia mais cara e ao mesmo tempo ele se candidata a ter um bônus dado por essa redução. Então nós entendemos que é fundamental que exista uma adesão por parte da população nesse programa de incentivo.”