Professores da UFG decidem pela continuidade da greve

Sindicato rejeitou proposta do governo de reajuste de 21,3% em quatro anos e o movimento segue por tempo indeterminado

universidade

Professores querem que reajusta seja pago em dois anos | Foto: Reprodução

Os docentes da Universidade Federal de Goiás voltaram a realizar assembleia nesta sexta-feira (28/8) para deliberar sobre os rumos da greve. Eles rejeitaram a proposta do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão de reajuste de 21,3% em quatro anos e o movimento seguirá por tempo indeterminado.

A reivindicação dos professores é que o reajuste seja pago em dois anos. Outro tópico em votação era a suspensão do calendário acadêmico. A proposta foi rejeitada e o calendário acadêmico será planejado após o fim da greve.

Professores da Instituição estão em greve desde o início de agosto. Os servidores técnicos-administrativos também estão em greve desde 28 de maio. Servidores do Instituto Federal de Goiás (IFG) e do Instituto Federal Goiano (IF Goiano) também paralisaram o serviço.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.