Ação de fiscalização ocorreu na última semana. Ao todo, 420 unidades de produtos foram apreendidos por estarem impróprios para consumo

Em agosto, o Jornal Opção noticiou o aumento de preço médio em 60% no arroz e óleo de soja em supermercados. A carne bovina e o leite, por conta da pouca oferta do boi para frigorífico, com a disponibilidade apenas do boi de confinamento, também apresentou altos custos, impactados em conjunto com a alta do dólar.

Nessa quinta-feira, 5, o Procon Goiás anunciou que realizou, na última semana, uma ação de fiscalização para averiguar as razões dos altos preços da carne, principalmente bovina, nos açougues.

O órgão passou por diversos estabelecimentos e notificou 42 deles. As empresas terão até dez dias para entregarem toda a documentação solicitada pelo Procon Goiás, dentre elas, notas fiscais de entrada e saída dos produtos. Também foram observadas outras práticas abusivas.

Dos açougues notificados, 31 foram autuados por comercializar produtos vencidos e sem procedência. Foram, ao todo, 420 unidades (320 kg) de produtos vencidos e inapropriados para consumo.

Foram confiscadas mercadorias como frango congelado, carne bovina, linguiça suína, cerveja e refrigerantes. Os produtos são descartados no local de fiscalização, diante do proprietário ou responsável pelo estabelecimento.

Em relação aos abusos de preços, as notas de entrada e saída irão ajudar o Procon a comparar os valores e comprovar se há ou não majoração abusiva. Se constatado, a autuação pode variar em multa de R$652 a R$9,2 milhões, conforme o tamanho da empresa, natureza da infração e reincidência.