Procon-GO tira dúvidas sobre o que muda com greve dos Correios

Segundo órgão de defesa, o consumidor ainda mantém a obrigação de quitar pagamentos, mesmo se a fatura não chegar. Para isso ele deve procurar o credor e pedir uma nova opção

Após Assembleia Geral, funcionários dos Correios deflagraram uma greve parcial na noite da última terça-feira, 10, o que pode gerar atrasos na entrega de correspondências, inclusive, boletos bancários e outras faturas. Apesar desse possível prejuízo, o Procon Goiás explica que, caso haja atraso no pagamento, o consumidor ainda tem a obrigação de pagar e arcará com juros e multas se não o fizer.

Por isso, o órgão de defesa do consumidor orienta que o possível prejudicado já procure a empresa credora e peça por uma segunda opção de pagamento para evitar futuros aborrecimentos — que vão de cobrança de encargos à negativação do nome e cancelamento do serviço.

Dúvidas comuns

O Procon-GO aproveita para elencar algumas dúvidas comuns. Ele orienta que o consumidor tenha um controle das prestações mensais e que, se não houver entrega antes da data de quitação, que se busque a empresa credora, que tem o dever de garantir outras formas de acesso ao boleto, como segunda via por e-mail ou fax, prorrogação do vencimento, código de barras, depósito, etc.

Caso o contato seja feito e mesmo assim não for garantida uma outra opção, o consumidor deve procurar o Procon. Já em caso de contratação direta com os Correios (carta registrada, Sedex 10) e não cumprimento, aí o consumidor pode pedir o ressarcimento. Já nas compras de produtos à distância, o órgão esclarece que a estatal de entrega é apenas intermediária e é o vendedor quem deve garantir o prazo, por meio de uma transportadora, por exemplo, podendo haver o cancelamento em até sete dias.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.