Justiça quer que Malafaia se retrate por incentivar violência contra gays

Denúncia do MPF-SP pede retratação do pastor, que teria extrapolado a liberdade de expressão ao dizer que Igreja deveria “entrar de pau” em homossexuais

| Foto: Lula Marques/Agência PT

Silas defendeu que Igreja deveria “baixar o porrete” nos manifestantes | Foto: Lula Marques/Agência PT

Um processo que acusa o pastor Silas Malafaia de incitar a violência contra homossexuais será retomado, depois de uma decisão em primeira instância ter orientado sua extinção. A ação, movida pelo Ministério Público Federal de São Paulo (MPF-SP), se refere a um comentário dele veiculado durante seu programa “Vitória em Cristo” em julho de 2011, quando ele falou sobre o uso de símbolos religiosos na Parada do Orgulho LGBT.

Na ocasião, ele disse que o movimento ridicularizava a Igreja e afirmou que ela deveria “baixar o porrete” nos participantes. “Os caras na Parada Gay ridicularizaram símbolos da Igreja Católica e ninguém fala nada. É pra Igreja Católica entrar de pau em cima desses caras, sabe? Baixar o porrete em cima pra esses caras aprender (sic). É uma vergonha”, disparou ele.

A Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais Travestis e Transexuais (ABGLT) acionou o MPF alegando que a manifestação de Malafaia foi além da simples expressão de opinião e configurou discurso de ódio. “As gírias ‘entrar de pau’ e ‘baixar o porrete’ têm claro conteúdo homofóbico, por incitar a violência em relação aos homossexuais, desrespeitando seus direitos fundamentais baseados na dignidade da pessoa humana”, disse o procurador da República Jefferson Dias, autor da ação.

A ação exige que haja espaço para retratação no programa com, no mínimo, duas vezes mais tempo que o que foi gasto para o comentário. O MPF também pediu à Justiça Federal que tanto o pastor quanto a TV Bandeirantes fiquem impedidos de voltar a transmitir declarações homofóbicas. A União também é citada na ação, devendo fiscalizar o programa para garantir que outras falas do tipo não sejam veiculadas.

Para o procurador, a retratação é necessária pela influência que Malafaia tem junto ao seu público. “Como líder religioso, o réu Silas Lima Malafaia é formador de opiniões e moderador de costumes. Ainda que sua crença não coadune com a prática homossexual, incitar a violência ou o desrespeito a homossexuais extrapola seus direitos de livre expressão”, diz Jefferson.

Agora o processo retornará à 24ª Vara Federal Cível, que extinguiu o processo sob a alegação de “impossibilidade jurídica dos pedidos formulados”. O entendimento inicial era de que as declarações de Malafaia seriam legítimas, uma simples manifestação de opinião garantido constitucionalmente. A decisão anterior também minimiza as gírias utilizadas, dizendo que elas não têm conotação violenta.

4 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
4 Comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Carlos Murilo

Fundamentalismo tem limite

Raquel

Evangélicos não batem em homossexuais, apenas oramos por eles.
A forma de cristão se manifestar, felizmente não é o mesma das que os próprios LGBTS usam..A violência não é o nosso lema.Por mais que palavras sejam ditas, no entendimento cristão, não é ao pé da letra como eles”LGBTS”pensam..

VANDA

NÃO ACREDITO NO QUE MEUS OLHOS LEEM… ESTÃO PROCESSANDO UM CARA, FOSSE QUEM FOSSE, POR TER FALADO O QUE FALOU… PALAVRAS SÃO UMA COISA, FAZER É OUTRA TOTALMENTE DIFERENTE…O GAYS FAZEM TUUUDDOOO QUE QUEREM COM AS IMAGENS E BRINCAM COM A RELIGIÃO, DESRESPEITANDO A TODOS OS PRINCIPIOS RELIGIOSOS E QUEM PAGA O PATO É QUEM FALA O QUE TODS OS HETEROS TEM VONTADE DE FALAR! BANDO DE DEMONIOS ESSES DO MPF, QUE AINDA TEM A CARA DE PAU DE ESCUTAR UM MONTE DE VIADOS RECLAMANDO DOS QUE RESPEITAM A CRISTO E TOMA ATITUDES PARA QUE POSSAMOS NOS SENTIR UM POUCO… Leia mais

Telmo

Estas questões poderão ser melhor enfrentadas quando houver prevenção da homofobia como vemos nas pesquisas abaixo:
http://saudepublicada.sul21.com.br/2015/08/31/religiao-e-laicidade-discriminacao-e-violencia/