Programa Universitário do Bem (ProBem) é aprovado por maioria na Assembleia

Foram 25 votos a favor e duas abstenções. O projeto segue agora para sanção do governador Ronaldo Caiado

Projeto irá conceder bolsas de estudo para o Ensino Superior. |Foto: Divulgação

Nesta quarta-feira, 9, foi votada a proposta do Governo Estadual que cria o Programa Universitário do Bem (ProBem) na sessão plenária da Assembleia Legislativa . O projeto foi aprovado com 25 votos a favor e 2 abstenções. Apesar de não ter recebido nenhum voto contra, a oposição fez algumas ressalvas. 

A deputada Lêda Borges (PSDB) votou favorável ao projeto, mas destacou que em sua visão o Probem é uma extensão do programa Bolsa Universitária. 

“Esse projeto (ProBem) nada mais é que a Bolsa Universitária que ficou sem abrir vagas, suspensa para novos alunos durante dois anos. Eu concordo porque é importante, mas para mim chama Bolsa Universitária. Foi assim que ele foi criado, pensado e implantado. Foram mais de 100 mil pessoas atendidas no Estado, é isso que nos entristece.  Mesmo assim fui a favor do projeto porque acredito na educação, não fico comparando governos. Ninguém faz oposição burra e sim técnica”, destacou Lêda ao defender o seu voto.

O projeto agora segue para sanção do Governador Ronaldo Caiado em até 30 dias. Após ser sancionado, os nove mil estudantes atendidos pelo Bolsa Universitária serão transferidos para o ProBem.

Incentivos

Para a maioria dos cursos, as bolsas parciais serão de até R$ 650 e integrais de até R$ 1,5 mil. Para Medicina e Odontologia, os valores serão de até R$ 2,9 mil para bolsa parcial e até R$ 5,8 mil para integral. Os valores serão reajustados de acordo com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

A presidente de honra da OVG e coordenadora do Gabinete de Políticas Sociais (GPS), primeira-dama Gracinha Caiado, destaque a estatística que aponta 33% dos jovens brasileiros fora do mercado de trabalho. Segundo ela, o programa vem com finalidade de mudar essa realidade em Goiás, e poder servir, inclusive, de modelo para outros Estados.

Principais pontos:
• Seleção baseada na vulnerabilidade social familiar tendo por base o CadÚnico, banco de dados nacional que identifica quem são os mais vulneráveis no país por conter informações como qualidade de moradia e inscrição em programas sociais.
• Bolsas de estudos de até R$ 650 (parcial) e até R$ 1,5 (integral). Valores reajustados a partir do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), ou seja, se a mensalidade aumentar, a bolsa também aumenta.
• Parte das vagas destinada à profissões do futuro e que atendem necessidade de mão de obra em todas as regiões do Estado.
• Promoção de experiência profissional, capacitação e incentivo a participação em projetos sociais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.