Prévia da inflação em Goiânia registra alta pelo terceiro mês consecutivo

Indicador refere-se às famílias com rendimento de 1 a 40 salários-mínimos e abrange as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além de Brasília e Goiânia

Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

Em novembro, Goiânia registrou variação mensal de 0,14% no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), que é uma prévia da inflação oficial no país, a terceira variação positiva consecutiva. No mês passado, a variação foi de 0,22%, e no retrasado, de 0,54%. No acumulado de 2019, Goiânia alcançou alta de 2,29% e nos últimos 12 meses, variação de 2,08%.

Na capital, a variação positiva do IPCA15 foi puxada em novembro principalmente pelos Transportes (0,76%), Despesas Pessoais (0,50%) e Alimentação e Bebidas (0,39%). Dentro de Transportes, o destaque é o preço do etanol, cuja variação (3,16%) é a segunda maior entre os municípios pesquisados e compõe três meses consecutivos de alta.

Outro destaque é a variação do preço das passagens aéreas (6,62%), que registra 2ª  alta consecutiva, sendo a terceira maior variação do país, atrás somente de Porto Alegre (10,37%) e São Paulo (9,64%).

Em Despesas Pessoais, a variação do serviço de manicure em Goiânia (2,22%) é a maior do país, acumulando alta de 5,17% nos últimos 12 meses, e de cabeleireiros (0,89%) é a segunda maior, acumulando alta no ano de 2,56%.

Arroz e Feijão

Por fim, a alta do grupo alimentação e bebidas teve como destaques a variação dos preços das Carnes, Arroz e Feijão. Com oito aumentos mensais consecutivos, as Carnes atingiram variação positiva de 3,33%. Já a variação do preço de carnes e peixes industrializados (1,78%) em Goiânia foi a segunda maior das unidades pesquisadas. O filé-mignon teve alta de 3,49% e o músculo de 2,42%.

Em novembro, a variação do preço do arroz (2,29%) e do feijão carioca (3,64%) tiveram as maiores altas entre as unidades pesquisadas. No acumulado de 2019, o feijão carioca registrou alta de 36,34%, enquanto o arroz 1,20%.

Habitação

Apesar da variação positiva do IPCA-15 em novembro, Goiânia registrou queda pelo segundo mês consecutivo no grupo Habitação (-1,06%). O aluguel residencial apresentou variação negativa de 0,42%, a maior queda entre as unidades pesquisadas (empatando com Recife), enquanto a variação de preço da energia elétrica registrou a segunda maior queda entre as unidades pesquisadas (-4,75%), perdendo apenas para Brasília (-5,44%). Em contrapartida, a variação do preço de condomínio (2,72%) em Goiânia foi a maior entre as unidades pesquisadas.

Para o cálculo do IPCA-15, os preços foram coletados no período de 13 de setembro a 11 de outubro de 2019 (referência) e comparados com aqueles vigentes de 14 de agosto a 12 de setembro de 2019 (base). O indicador refere-se às famílias com rendimento de 1 a 40 salários-mínimos e abrange as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além de Brasília e Goiânia. A metodologia utilizada é a mesma do IPCA, a diferença está no período de coleta dos preços e na abrangência geográfica.

 

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.