Criminalista brasileiro afirmou prazo de inquérito vai expirar em agosto, e, se Ministério Público paraguaio não apresentar novas acusações, jogador de futebol e seu irmão serão soltos

Foto: Reprodução.

De acordo com o criminalista brasileiro Gil Ortuzal, Ronaldinho Gaúcho e seu irmão, Roberto Assis, podem ser soltos no mês de agosto. O especialista conversou com o colunista Leo Dias, do jornal Metrópoles, e afirmou que o inquérito no Paraguai deve ser concluído em 6 meses e o prazo vai expirar no próximo mês. Caso o Ministério Público não apresente novas acusações, os irmãos serão liberados.

“Ouvi de excelentes advogados paraguaios que a solução do caso é iminente e que Ronaldinho será solto em breve. Conheço a cultura e suficientemente a legislação daquele país”, destacou Ortuzal.

Ronaldinho Gaúcho e o irmão, Roberto Assis, foram presos com carteiras de identidade e passaportes falsos no Paraguai no dia 6 de março. O especialista disse que a prisão de Gaúcho permanece por causa da investigação de outros supostos crimes, sobretudo lavagem de dinheiro.

Prisão domiciliar

Nos primeiros dias de prisão, os irmãos chegaram a dividir uma cela de 18 m², com cama, televisão, geladeira e um ar-condicionado.

Após 32 dias, Ronaldinho e o irmão foram liberados para cumprir a prisão no mesmo hotel onde foram detidos, o Palmaroga. Conforme apuração do Leo Dias, o quarto que recebe Ronaldinho tem uma TV de 55 polegadas e resolução 4K, além de uma cama king-size e uma banheira de hidromassagem. O hotel ainda conta com uma academia de ginástica.