Presidente do PL diz que Câmara de Luziânia manobra para regularizar auxílio que vereadores já recebem

Segundo Nelson Rebelato, Ministério Público teria avisado que o auxílio era ilegal ao menos que virasse lei

O presidente do PL de Luziânia, Nelson Rebelato, está articulando uma mobilização nesta terça-feira, 12, com objetivo de tentar barrar o projeto de lei que legaliza o auxílio combustível de R$ 1 mil para parlamentares.  A proposta, já foi aprovada em primeira votação e nesta terça retorna ao plenário para segunda e última votação. “Eles estão tentando via projeto de lei legalizar esta imoralidade”, afirmou Rebelato.

Segundo o presidente municipal do PL, os vereadores que são da base do prefeito, 18 dos 21 parlamentares, já recebem esse auxílio desde a posse do prefeito de Luziânia. “Apenas três que são da oposição que não recebem”, afirmou. O Ministério Público teria intervindo e alegado à Câmara Municipal que o auxílio era ilegal e que para torná-lo legal só se o auxílio virasse um projeto de lei.

Rebelato, explicou da onde vem esse dinheiro do auxílio. “Eles alegam que essa verba foi economizada através do orçamento da Câmara e que por isso eles não podem investir em outras áreas como educação e saúde. Até então está correto. Só que na legislação diz que todo recurso que sobra do orçamento da Câmara, no final do ano, pode ser repassado ao Executivo para que ele gaste com educação, saúde, com o que ele quiser”.

Além de ter dito que esse projeto de lei era um absurdo, Rebelato denuncia a situação que o município está. “A cidade está sem médico, sem dentista, sem enfermeiro, faltando medicamentos nos postos de saúde, o transporte público parou na cidade, porque estamos sem ônibus”, afirmou. “É um absurdo um vereador que recebe quase R$ 13 mil, ter essa regalia de mais R$ 1 mil de combustível numa cidade pobre onde o desemprego reina”, frisou. O presidente também afirmou que o PL apoia seu posicionamento.

O projeto de auxílio combustível é de autoria do presidente da Casa, o vereador Carlos da Liga (UB).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.