Presidente do Ibama pede exoneração após críticas de Bolsonaro sobre contrato

Suely afirmou que suspeita evidencia “completo desconhecimento da magnitude do Ibama e das suas funções”

Foto: José Cruz / Agência Brasil

A presidente do Ibama, Suely Araújo, pediu exoneração do cargo nesta segunda-feira, 7, após o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e o presidente Jair Bolsonaro (PSL) criticarem contrato assinado pela titular da pasta. As declarações foram divulgadas no Twitter. O Ibama reagiu com nota.

O ministro questionou um contrato de R$ 28,7 milhões, assinado no mês passado, para aluguel de veículos no Ibama e publicou imagem do resumo do contrato publicado no Diário Oficial com a mensagem: “quase 30 milhões de reais em aluguel de carros, só para o IBAMA…”

Bolsonaro retuitou a mensagem e acrescentou: “Estamos em ritmo acelerado, desmontando rapidamente montanhas de irregularidades e situações anormais que estão sendo e serão comprovadas e expostas. A certeza é: havia todo um sistema formado para principalmente violentar financeiramente o brasileiro sem a menor preocupação!”.  Após alguns minutos, o presidente apagou a postagem no Twitter.

Em seguida, o Ibama divulgou uma nota de esclarecimento:

Nota da Presidência do Ibama

“As viaturas do Ibama são objeto de um contrato de locação de âmbito nacional. O novo contrato abrange 393 caminhonetes adaptadas para atividades de fiscalização, combate a incêndios florestais, emergências ambientais, ações de inteligência, vistorias técnicas etc., nos 27 estados brasileiros, e inclui combustível, manutenção e seguro, com substituição a cada 2 anos. A acusação sem fundamento evidencia completo desconhecimento da magnitude do Ibama e das suas funções. O valor estimado inicialmente para esse contrato era bastante superior ao obtido no fim do processo licitatório, que observou com rigor todas as exigências legais e foi aprovado pelo TCU. Os valores relativos aos veículos para fiscalização na Amazônia são custeados pelo Fundo Amazônia, gerido pelo BNDES. A presidência do Ibama refuta com veemência qualquer insinuação de irregularidade na contratação. Espera, por fim, que o novo governo dedique toda a atenção necessária às importantes tarefas a cargo do Ibama, e não a criar obstáculos à atuação da Autarquia.”

Assessoria de Comunicação do Ibama

No pedido de exoneração, enviado ao ministro do Meio Ambiente, Suely diz que decidiu se afastar do cargo para que o novo governo possa assumir a condução do órgão. “Considerando que a indicação do futuro presidente do Ibama, sr. Eduardo Bim, já foi amplamente divulgada na imprensa e internamente na instituição ainda em 2018, antes mesmo do início do novo Governo, entendo pertinente o meu afastamento do cargo permitindo assim que a nova gestão assuma a condução dos processos internos desta autarquia”, diz Suely em trecho do pedido de exoneração.

Uma resposta para “Presidente do Ibama pede exoneração após críticas de Bolsonaro sobre contrato”

  1. Eduardo Gontijo Santos disse:

    Tentou levar mais uma boquinha no final do mandato mas nao conseguiu ne

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.