Presidente do Cremego critica lei que proíbe receita médica com letra ilegível: “Sem serventia”

Norma foi aprovada em segunda e última votação pela Câmara de Goiânia e segue, agora, para sanção do prefeito

Presidente em exercícid o Cremego, Leonardo Reis | Foto: Fotos: Renan Accioly/Jornal Opção

Presidente em exercícid o Cremego, Leonardo Reis | Foto: Fotos: Renan Accioly/Jornal Opção

O presidente em exercício do Conselho Regional de Medicina de Goiás (Cremego), Leonardo Reis, criticou a lei aprovada nesta quinta-feira (13/10) pelos vereadores da capital que proíbe médicos e dentistas de prescrever receitas com letra ilegível.

Para Reis, a matéria é inócua, uma vez que o Código de Processo Ético-Profissional da categoria já prevê a medida. “É a mesma coisa que a Câmara Municipal elaborar um projeto de lei que proíbe jogar papel da janela do carro, o Código Brasileiro de Trânsito já prevê isso. É uma lei inócua, que não serve nem para orientação”, afirma.

Ele lembra que, com a nova norma, a prefeitura teria que contar com um profissional que fiscalizasse a conduta dos médicos da capital quanto ao cumprimento da matéria, o que, sinaliza o presidente, não deve ocorrer. “É uma lei para inglês ver e que não tem utilidade prática alguma”, reforça.

A nova lei foi aprovada em segunda e última votação pela Câmara de Goiânia e segue, agora, para sanção do prefeito. A matéria ainda oferece aos profissionais a possibilidade das receitas médicas e odontológicas serem digitadas.

“O objetivo é evitar os corriqueiros erros de interpretação das receitas, escritas muitas vezes com caligrafia indecifrável, que colocam em risco a saúde e a vida dos pacientes”, afirma o vereador Wellington Peixoto (PMDB) na justificativa do projeto de sua autoria.

2 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Ygor Gomes

Esse é um daqueles médicos jumentos, ele fala “Código de Processo Ético-Profissional da categoria já prevê a medida”. Muitos médicos formados nem lembram disso na hora de prescrever o que geral uma ma interpretação da mesma.
Se nem eles entendem o que estão escrevendo, façam como alguns médicos que estão digitando suas receitas e ajudando os seus pacientes .
Eu apoio essa medida!!!…

renan

o cidadão em questão ganha em média de 20 à 30 mil reais por mês,provavelmente mais,e está com pena de comprar uma impressora,manda ele ficar um dia só em uma drogaria só pra ele ter a noção de como é pegar as receitas feitas por médicos como ele.