Henrique Arantes (MDB) acredita que depoimento seria oportunidade para José Nunes “sair da incriminação”

Foto: Fábio Costa/Jornal Opção

O presidente da CPI da Enel, deputado Henrique Arantes (MDB), falou ao Jornal Opção sobre a liminar que desobrigou o diretor de Relações Institucionais da Enel Brasil, José Nunes, a comparecer à Comissão na manhã desta quinta-feira, 28.

Arantes ressalta que apesar de a defesa apontar que Nunes poderia ser constrangido ilegalmente, na verdade esta seria uma oportunidade para que ele fizesse considerações importantes para sua defesa. “Falaram na liminar que ele poderia ser incriminado, mas essa seria uma oportunidade para sair da incriminação”, defende Henrique.

“A gente teria a oportunidade de avaliar se poderia deixá-lo de fora do relatório pedindo a prisão dele. Porque a gente alega que foram cometidos crime fiscal e crimes coletivos contra o consumidor no Estado de Goiás”, explica o presidente da CPI, ao detalhar que a Policia Civil irá investigar essas suspeitas.

De acordo com Henrique, as denúncias já estão sendo encaminhados à PCGO e, possivelmente, sejam abertos inquéritos ao final da CPI. “E se eles não querem vir falar o que eles estão fazendo enquanto diretores, aí é natural que apareçam no relatório”, afirma Arantes, ao concluir que o não comparecimento sugere “algo a esconder”.